7 fevereiro 2019

Gustav Mahler Jugendorchester em residência

De 25 de fevereiro a 6 de março, a jovem orquestra volta a estar em residência na Fundação, oferecendo quatro concertos integrados na sua digressão de Páscoa.

Gustav Mahler Jugendorchester © GM - Márcia Lessa
Gustav Mahler Jugendorchester © GM - Márcia Lessa

Desde que foi fundada por Claudio Abbado em Viena em 1986/87, a Gustav Mahler Jugendorchester tornou-se um chamariz para todos os grandes talentos emergentes europeus, alcançando uma reputação imbatível de interpretações enérgicas e vibrantes.

De 25 de fevereiro a 6 de março volta a estar em residência na Fundação, oferecendo quatro concertos integrados na sua digressão de Páscoa. A Gulbenkian Música acolhe a jovem orquestra pela 10ª temporada consecutiva. Como habitualmente, irão colocar a sua energia contagiante ao serviço de grandes peças do repertório sinfónico.

Os primeiros dois concertos estarão a cargo de Tobias Wögerer, um dos mais promissores maestros austríacos da atualidade e recentemente apontado maestro assistente desta formação. A 25 de fevereiro, a residência inicia-se com um programa de música de câmara especialmente exigente: a Serenata n.º 10 de Mozart e a versão para orquestra de cordas de Noite Transfigurada, de Schönberg.

 

Três dias depois, a Gustav Mahler Jugendorchster assume a sua formação sinfónica para acompanhar Anika Vavic, a pianista sérvia cuja carreira internacional foi impulsionada por Mstislav Rostropovitch e Elisabeth Leonsakaja. Vavic interpretará a Rapsódia sobre um tema de Paganini, de Rachmaninov, seguindo-se na segunda parte a intemporal Scheherazade, de Rimsky-Korsakov.

A 5 março, a jovem orquestra partilhará o palco com o Coro Gulbenkian, o Coro Infantojuvenil da Universidade de Lisboa e a meio-soprano Elena Zhidkova para interpretar, sob a direção de Jonathan Nott uma das mais ambiciosas obras de Gustav Mahler: a sua Sinfonia n.º 3.

A residência termina a 6 de março na companhia da meio-soprano Elena Zhidkova, que interpretará os Rückert-Lieder de Gustav Mahler, um dos mais luminosos ciclos de canções do compositor austríaco, inspirados pela poesia de Fridrich Rückert. Na segunda parte, e a encerrar esta digressão de Páscoa, Jonathan Nott dirige a monumental Sinfonia n.º 15 de Chostakovitch.