Mahler Chamber Orchestra / Leif Ove Andsnes

Concertos para Piano de Mozart

Event Slider

O pianista norueguês Leif Ove Andsnes, um dos maiores intérpretes da sua geração, traz à Gulbenkian Música a prestigiada Mahler Chamber Orchestra e o projeto Mozart Momentum 1785 / 1786. Pianista e orquestra dedicaram-se a explorar este curto período durante o qual Mozart assinou uma série de obras-primas que impulsionaram o futuro da música. À revista Playbill, Andsnes confessou acreditar que “algo de revolucionário aconteceu em 1785 e 1786”. “Mozart começou a expandir as possibilidades do reportório pianístico”, apontando o caminho para novos mundos sonoros nunca até então escutados.


Programme

Mahler Chamber Orchestra
Leif Ove Andsnes Piano / Direção

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791)
Concerto para Piano e Orquestra n.º 23, em Lá maior, K. 488
1. Allegro
2. Adagio
3. Allegro assai

Composição: 1786
Duração: c. 26 min.

Concluído a 2 de março de 1786, o Concerto para Piano n.º 23, em Lá maior, K. 488, de Mozart, representa a penúltima etapa da série prodigiosa de doze concertos para piano e orquestra, originada durante esta fase, tendo sido sucedido, de muito perto, pelo Concerto n.º 24, em Dó menor, K. 491. A extraordinária densidade destas duas obras-primas torna-se tanto mais surpreendente quanto se sabe que, no mesmo período, o compositor finalizava a composição da famosa ópera As bodas de Figaro, seguindo cânones e procedimentos bastante distintos daqueles que pautavam a sua produção instrumental. A introdução orquestral do Allegro inicial traz consigo os principais “ingredientes” temáticos do andamento: duas ideias contrastantes cujas subtis inflexões melódicas virão a ser postas em relevo pelo instrumento solista. Fica em evidência, desde logo, o princípio da alternância entre episódios solistas e ritornelos orquestrais, herdado do concerto barroco, mas soma-se-lhe o dramatismo da nova forma de sonata, com os contrastes inerentes de tonalidade e de material temático. Entre outros aspetos, este primeiro andamento individualiza-se pela imaginação com que tais elementos temáticos são transformados e diversificados, sem comprometer o seu equilíbrio global.

A sombria tonalidade de Fá sustenido menor serve de base ao segundo andamento, animado pelo compasso composto característico da tradicional dança siciliana, aqui ao serviço de uma dissertação emocional intensa, desenvolvida a partir do piano e alastrando depois aos diferentes naipes orquestrais. Percecionando, a cada momento, os sentimentos mais profundos e sinceros, o Adagio progride com intervenções evocativas das cordas e dos sopros, alternando com o discurso condutor do piano.

O andamento final, Allegro assai, principia com um refrão pleno de vivacidade, protagonizado pelo piano, sobre um acompanhamento de baixo de Alberti. A orquestra retoma este material de partida e prossegue o seu desenvolvimento, sempre em ambiente festivo. O piano retoma o discurso musical na primeira copla, naquilo que será o início de um frutuoso diálogo com a orquestra, enriquecido pelo retorno periódico do refrão inicial.

 

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791)
Concerto para Piano e Orquestra n.º 24, em Dó menor, K. 491
1. Allegro
2. Larghetto
3. Allegretto

Composição: 1786
Estreia: Viena, 7 de abril de 1786
Duração: c. 30 min.

Composto posteriormente na cidade de Viena, o Concerto para Piano e Orquestra, n.º 24, em Dó menor, K. 491, é também herdeiro das propostas estéticas e estilísticas da anterior Sinfonia K. 183, no sentido em que, também ele, assenta nos mesmos princípios de oposição contrastante de motivos e adensamento das texturas orquestrais, sobre uma tonalidade-base do modo menor.

Para a sua projeção nos círculos musicais da cidade de Viena, na qual se estabeleceu a partir de 1781, Mozart dependeu não apenas dos géneros mais populares da sinfonia e da ópera, mas também, e muito especialmente, da produção de concertos para piano e orquestra. A extensa produção que teve origem entre 1784 e 1786, na qual se insere o presente exemplo, contribuiu, em grande medida, para que Mozart fosse reconhecido na capital europeia da música, quer como compositor, quer como intérprete. À frente do teclado e interagindo com as formações orquestrais que escolhia criteriosamente, de acordo com as necessidades artísticas, mas também com os meios humanos disponíveis, veio a expandir o princípio barroco da alternância entre episódios solistas e ritornelli orquestrais, imprimindo-lhe o dramatismo da forma de sonata, com os seus contrastes, tensões e ânsias de reconciliação e apaziguamento. Nesta conduta, Mozart seguiu, de resto, os procedimentos cimentados por criadores da envergadura de um Johann Christian Bach ou de um Joseph Haydn, mas o grau de elaboração técnica e idiomática destas obras, aliado à polivalência de sentimentos e perceções da vida – a qual só poderia ter tido origem numa experiência direta e continuada com diferentes meios socioculturais –, emprestou ao corpus concertante mozartiano uma dimensão canónica, no quadro da tradição classicista europeia.

Após a vasta introdução orquestral do primeiro andamento, Allegro, o piano solista procura, a cada momento, tomar a iniciativa do discurso temático, rasgando frases de grande lirismo e intensidade expressiva. Por vezes, partilha com os restantes naipes da orquestra, e em particular com os sopros, a condução da textura, como acontece no andamento lento, Larghetto, na tonalidade mediante de Mi bemol maior. Para o Allegretto final, Mozart reservou uma série de variações sobre um tema, na tonalidade principal de Dó menor. O mundo estimulante da ópera, com o seu melodismo vocal e a constante busca da expressão dramática, também não terá certamente sido alheio ao pensamento de Mozart enquanto escrevia o Concerto para Piano K. 491, concluído menos de dois meses antes da estreia de As bodas de Figaro, a 1 de maio de 1786.

Notas de Rui Cabral Lopes

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791)
Concerto para Piano e Orquestra n.º 21, em Dó maior, K. 467
2. Andante

 


Mecenas Principal Gulbenkian Música

Apoio

Cookies settings

Cookies Selection

The Calouste Gulbenkian Foundation uses cookies to improve your browsing experience, security, and its website performance. The Foundation may also use cookies to share information on social media and to display messages and advertisements personalised to your interests, both on our website and in others.