Concertos a não perder em 2020

Depois de uma série de concertos inesquecíveis em 2019, a Temporada Gulbenkian Música prossegue em 2020 apresentando os grandes intérpretes do nosso tempo e espetáculos que prometem emocionar e surpreender. A paixão pela música volta a estar bem presente no Grande Auditório e estes são só alguns dos momentos altos a não perder. Contamos consigo!

Gil Shaham e Orquestra Gulbenkian

Gil Shaham e Orquestra Gulbenkian

O norte-americano Gil Shaham é detentor de uma técnica soberba, colocada ao serviço de uma enorme qualidade expressiva. Sob a direção do maestro espanhol Antonio Méndez , interpretará o Concerto para Violino de Mendelssohn, trazendo a convicção de que a música transporta sempre consigo o ar dos tempos em que foi criada.

Maria João Pires

Maria João Pires

A Temporada 19/20 ficou marcada pelo regresso de Maria João Pires à Gulbenkian Música com três concertos. Neste último recital, a pianista apresenta-se a solo para interpretar Debussy e Beethoven, no ano em que se comemora o 250.º aniversário do nascimento do compositor alemão.

Matthias Goerne e Orquestra Gulbenkian

Matthias Goerne e Orquestra Gulbenkian

Quando editou, em 2006, a sua interpretação da Sinfonia Lírica de Zemlinsky, o barítono alemão Matthias Goerne alcançou uma reputação internacional imbatível, colecionando vários dos grandes prémios discográficos desse ano. Goerne regressa agora ao seio da Orquestra Gulbenkian para, com a soprano Maria Bengtsson e o maestro Lorenzo Viotti, retomar essa obra-prima da música do século XX.

Serenata à chuva

Serenata à chuva

Poucas cenas na história do cinema serão tão populares e evocativas como aquela em que Gene Kelly, encharcado debaixo da chuva, canta e dança com uma felicidade ilimitada. Não perca a oportunidade única de assistir a este clássico absoluto com a banda sonora interpretada ao vivo pela Orquestra Gulbenkian.

Erismena - Cappella Mediterranea

Erismena - Cappella Mediterranea

Erismena, ópera criada em 1655, chega à Gulbenkian Música numa grande produção estreada no Festival d’Aix-en-Provence em 2017, com forte impacto musical e visual. Alarcón e o seu agrupamento Cappella Mediterranea contam com o encenador Jean Bellorini, nome em franca ascensão no teatro europeu, e ainda com um elenco constituído por uma preciosa combinação de talentos.