• França, 1899
  • Mármore
  • Inv. 2083
  • Escultura

Sereia alada arrebatando um adolescente

Denys Pierre Puech

Esta sereia foi a primeira escultura adquirida para a sua coleção por Calouste Gulbenkian. É uma obra ao gosto clássico, executada por um contemporâneo seu e que obteve um enorme sucesso, como o comprovam as várias versões em gesso e mármore e as muitas reduções em bronze e mármore existentes, entre as quais se inclui o presente exemplar. A versão original em mármore, com 250 cm de altura, foi executada em 1890 e constituiu o trabalho final do 3.º ano de estudos de Puech em Roma, na Academia de França.

É uma composição de grande movimento, que traduz um jovem artista apaixonado por uma famosa cantora de ópera (Emma Calvé) e que procurou inspiração no mito grego das sereias que seduziam os marinheiros com o seu canto, para depois os arrastar para as profundezas dos oceanos. A sua sereia, com asas de pássaro, corpo de mulher e cauda de peixe protagoniza o sedutor no ato de atrair a sua vítima. Resultado de uma experiência pessoal, Puech procurou transmitir um caráter universal à sua obra que, embora tenha causado algum escândalo pela ousadia do tema, acabou por ser um verdadeiro sucesso de mercado.

A escultura foi comercializada por Ferdinand Barbédienne, com quem Gulbenkian mantinha negociações assíduas.

Adquirida por Calouste Gulbenkian a Ferdinand Barbédienne, c. 1900.

A. 135 cm; L. 90 cm; Prof. 71 cm

Jaudon 1908

Henry Jaudon, Denys Puech et son œuvre. Rodez: E. Carrière, 1908.

Calais 1982

De Carpeaux à Matisse. La Sculpture Française de 1850 à 1914 dans les musées et les collections publiques du Nord de la France, catálogo da exposição. Lille: Musée des beaux-arts de Calais, 1982.

Figueiredo 1992

Maria Rosa Figueiredo, A Escultura Francesa. Catálogo de Escultura Europeia, vol. I. Lisboa: Museu Calouste Gulbenkian, 1992, pp. 188-191.