• Flandres, c. 1630-1632
  • Óleo sobre madeira
  • Inv. 959

Retrato de Helena Fourment

Peter Paul Rubens

Em 1630 Peter Paul Rubens casa com Helena Fourment, filha de um rico mercador de sedas e tapetes da cidade de Antuérpia. A segunda mulher do pintor, trinta e seis anos mais nova que ele, aparece com frequência na sua produção a partir dessa data, quer em composições de caráter mitológico, quer em retratos individuais e familiares. Na obra The Garden of Love [O Jardim do Amor] (National Trust, Waddesdon Manor, Buckinghamshire), de c. 1630-1632, é parcialmente visível uma figura a meio corpo em tudo idêntica à presente personagem.

A pintura testemunha o virtuosismo técnico de Rubens na materialização das texturas e dos cambiantes do traje de cetim negro, na harmonia equilibrada dos volumes poderosos, na graça das carnações macias, na plasticidade audaciosa e triunfalista das formas. A baixa linha de horizonte acentua a verticalidade monumental da figura, que traja vestido de cetim negro e chapéu de grande aba com pluma de avestruz, de acordo com a moda em voga entre a próspera burguesia da época.

Comum ao conjunto da obra de Rubens é o resultado visual de grande impacto, testemunho de um talento criador maior que marcou na Flandres a afirmação do melhor estilo barroco. A pintura pertenceu no passado à coleção de Catarina II da Rússia.

Sir Robert Walpole, 1.º conde de Orford, Houghton Hall, Norfolk, 1743-1745, venda de 1779; Catarina II da Rússia, 1779-1796; Família Imperial Russa, 1796-1917; Museu do Ermitage, São Petersburgo, 1917-1930. Adquirida por Calouste Gulbenkian por intermédio do Antikvariat, Moscovo, março de 1930.

Washington D. C. 1950

European Paintings from the Gulbenkian Collection, catálogo da exposição. Washington D. C.: National Gallery of Art, 1950, pp. 92-93, cat. 40.

Vlieghe 1987

Hans Vlieghe, Rubens Portraits of Identified Sitters Painted in Antwerp. Londres/Nova Iorque: Oxford University Press/Harvey Miller, 1987, vol. II, pp. 102-109.

Nova Iorque 1999

Katharine Baetjer e James David Draper (eds.), «Only the Best». Masterpieces of the Calouste Gulbenkian Museum, Lisbon, catálogo da exposição. Nova Iorque: The Metropolitan Museum of Art, 1999, p. 88-89, cat. 42.

Dukelskaya e Moore 2002

Larissa Dukelksaya e Andrew Moore (eds.), A Capital Collection: Houghton Hall and the Hermitage. Published for the State Hermitage Museum, The Paul Mellon Centre for Studies in British Art. New Haven e Londres: Yale University Press, 2002, pp. 216-217, n.º 117. 

Sampaio 2009

Luísa Sampaio, Pintura no Museu Calouste Gulbenkian. Lisboa/Milão: Museu Calouste Gulbenkian/Skira, 2009, pp. 50-51, cat. 16.

Lisboa 2011

Museu Calouste Gulbenkian. Lisboa: Museu Calouste Gulbenkian, 2011, p. 118, cat. 92.

Atualização em 15 junho 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.