• Turquia, Brussa, primeira metade do século XVII
  • Veludo cortado parcialmente espolinado a tramas de fio prateado
  • Inv. 1512
  • Arte do Oriente Islâmico

Panejamento

Turquia, Brussa, primeira metade do século XVII

Este panejamento de veludo vermelho parcialmente enriquecido com tramas de fio prateado, representa bem a produção de tecidos faustosos saídos das oficinas otomanas, dos séculos XVI e XVII, nomeadamente de um dos centros mais notáveis que foi a cidade de Brussa. Apresentando a tradicional cor vermelha para o fundo, enriquecido com o fio prateado, características dominantes destes tecidos, a composição deste panejamento, composto por dois panos cosidos ao centro, é dominada pela figura geométrica dos círculos concêntricos, sendo dois rematados por estrelas de muitas pontas.

O motivo de repetição, em filas alternadas, é ainda intercalado pelos três círculos (çintamani), de origem extremo oriental, conotados com a simbologia do poder, numa composição simultaneamente simples e extremamente decorativa. Esta mesma composição foi utilizada em muitos outros produtos otomanos, nomeadamente nas características almofadas de veludo.

Veludos como este destinavam-se a decorar tendas e palácios podendo ora ser utilizados como panejamentos de parede ora como coberturas.

Em 1935 foi exposta no Petit Palais, Paris, pertencendo já a Calouste Gulbenkian.

A. 188 cm; L. 129 cm

Scott 2001
Philippa Scott – “Islamic Textiles in the Gulbenkian Museum, Lisbon”, in: Hali, n.º 114 (Janeiro-Fevereiro), 2001, pp. 92-95, il. 4

Madrid 2001
Un jardín encantado. Arte islámico en la Colección Calouste Gulbenkian, catálogo de exposição, Madrid (Fundación Santander Central Hispano), 2001, pp. 150-151, n.º 60, il.

Lisboa 2001
Museu Calouste Gulbenkian – Álbum, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2001, pp. 52-53, n.º 36, il.