• Paris: H. Piazza et Cie, 1928
  • Papel-japão imperial; encadernação jansenista, em marroquim azul-escuro, com contracapas decoradas com filetes a ouro e prata
  • Inv. LM426
  • N.º 1, exemplar único contendo todas as aguarelas originais das ilustrações; um dos 35 exemplares impressos em papel-japão imperial

«Fêtes galantes»

Paul Verlaine

Ilustração de George Barbier (1882-1932)
Encadernação assinada por Georges Cretté (1893-1969) 

A coletânea poética reunida sob o título Fêtes galantes foi publicada pela primeira vez em 1869. O seu autor, Paul Verlaine, poeta simbolista, explora temas como a sedução e a frivolidade de pendor erótico, que surgem sob o signo da musicalidade, da mascarada, da festa. Este é o cenário apropriado para o autor explorar a ambiguidade dos sentimentos amorosos, que oscilam entre a euforia e o desalento.

O volume na Coleção Gulbenkian, edição muito cuidada de bibliófilo, contém todas as aguarelas originais concebidas por George Barbier, que serviram de base às ilustrações, gravadas em duas provas de estado, uma a cores e outra a preto e branco. A gramática utilizada por Barbier, ilustrador de revistas de moda e desenhador para o teatro e o cinema, reinterpreta o tema da «festa galante», evocativo dos ambientes de Watteau, Boucher ou Fragonard, atualizando-o segundo a gramática Déco, mas tendo sempre presente as palavras de Verlaine. Imbuído por uma beleza idealizada, o ilustrador não deixa de citar os aspetos mais libertinos e sedutores dos personagens, bem como o excesso e o humor característicos da Comedia dell’arte.

A Georges Cretté, sucessor de Marius-Michel, figura de relevo no âmbito da encadernação francesa do século XX, Calouste Gulbenkian encomendou que «vestisse» o livro, certamente na procura de coerência estética entre texto, ilustração e encadernação. Refira-se que a simplicidade foi a opção de Cretté, merecedora do pronto reconhecimento do colecionador.    

Adquirido por Calouste Gulbenkian a Giraud-Badin, em Paris, em 11 de janeiro de 1937

Paris 1997

O Livro Objecto de Arte. Colecção Calouste Gulbenkian, França. Séculos XIX-XX. Paris: Centro Cultural Calouste Gulbenkian, 13 março a 29 de maio de 1997, pp. 158-159, cat. 65.

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.