Mily Possoz

“Sintra”

Nas paisagens não urbanas, Mily Possoz recorre frequentemente a um traçado de linhas curvas, curtas e rápidas, mais ou menos finas, conforme se recorre ao lápis litográfico ou à ponta seca, que adensam a composição e a tornam labiríntica. Nesta vista da serra de Sintra, o declive acentuado da paisagem aponta para um ponto de vista pouco provável, rasante, de baixo para cima, que empurra as muralhas do castelo dos Mouros para uma vertigem exagerada, sem paralelo com a realidade. Remetendo plasticamente – embora não nos aspetos perspéticos – para algumas paisagens «melhoradas» de montanhas ficcionais da pintura flamenga do século XVII, torna a paisagem inverosímil, irreal. Possivelmente realizada como ilustração de um livro infantil, como pode sugerir a presença do cão no canto inferior esquerdo, a paisagem guarda contudo algumas das mais claras características do trabalho de Mily Possoz, nomeadamente a obliteração da perspetiva clássica e a abertura de planos inesperados, como o que revela a presença de uma pequena igreja sob o tronco da árvore.

 

 

EF

 

Maio de 2010

 

 

TipoValorUnidadesParte
Largura39,9cmpapel
Altura52,1cmpapel
TipoA definir
DataA definir