• 1908
  • Papel
  • Tinta-da-china e Aguarela
  • Inv. DP125
  • Desenho
  • Arte Portuguesa

Emmerico Nunes

sem título

Pertencente à mesma série que O pintor e o modelo, este desenho concentra a sua atenção na sociedade mundana e moderna da capital francesa no princípio do século XX. Sensível ao efeito cómico produzido por aquilo que o artista considera ser uma encenação permanente não raramente desprovida de conteúdo, Emmerico Nunes regala-nos com a sua capacidade de, em poucos traços, comunicar a postura mental das personagens retratadas, tirando o máximo partido dos atributos físicos que as definem individualmente.

O grupo de espectadores da direita lembra plasticamente a célebre caricatura com que, em 1910, participaria na Exposição Livre do Salão Bobone (Lisboa) e introduziria uma primeira inflexão no registo naturalista do panorama artístico português: frente a um quadro naturalista (na realidade, uma caricatura), Domingos Rebelo, Eduardo Viana e Solà atentam ao discurso de Amadeo de Souza-Cardoso. Este estará, provavelmente, a explicar-lhes que é necessário romper com os cânones naturalistas. A postura de Emmerico, em contrapartida, parece mais ambígua. Do ponto de vista formal, ambos os desenhos sugerem a adesão ao discurso de Amadeo. Mas em ambos os casos também, Emmerico não prescinde de apontar o seu quê de risível que comportam as afirmações radicais, sejam elas de que natureza forem.

 

 

ILC

 

 

TipoValorUnidadesParte
Altura9cm
Largura14cm
Tipoassinatura
TextoHartwich Nunes
Posiçãoc.i.d.
Tipodata
TextoParis 08
Posiçãoc.i.d.
TipoAquisição
DataSetembro de 1980
Inauguração do CAM
CAM/FCG
20 de Julho de 1983
Lisboa, Centro de Arte Moderna/ FCG
Emmerico Hartwich Nunes. Retrato Sensível. Arte e Desenho Humorístico na Imprensa Alemã
Museu Nogueira da Silva
Curadoria: Isabel Lopes Cardoso
17 de Dezembro de 2004 a 26 de Fevereiro de 2005
Museu Nogueira da Silva, Minho