• 1913
  • Papel
  • Guache
  • Inv. 87DP335
  • Desenho
  • Arte Portuguesa

Amadeo de Souza-Cardoso

Canção d’Açude – Poema em Cor

TipoValorUnidadesParte
Altura23,8cm
Largura33,1cm
Tipooutras
TextoOs moleiros/deste açude/ adoram a /virgem/ toda de branco/ Os moleiros /deste açude adoram /a farinha.
PosiçãoOcupa a superfície do desenho.
TipoDoação
DataJaneiro de 1987
Exposição de Pintura (Abstracionismo): amadeo de souza-cardoso
Porto, [s.n.], 1916
Catálogo
Exposição de Pintura: amadeo souza-cardoso
Lisboa, [s.n.], 1916
Catálogo
1887-1987 centenário do nascimento de amadeo de souza-cardoso
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1987
Catálogo
História da arte em Portugal: Pioneiros da modernidade. Vol. 12
Lisboa, Alfa, 1988
Monografia
Amadeo de Souza-Cardoso: diálogo de vanguardas
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian. Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, Assírio & Alvim, 2006
Catálogo
La légende de Saint Julien l'hospitalier. Edição facsimilada
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian. Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, 2006
Monografia
Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918): Ein pionier aus Portugal
Hamburg, Ernst Barlach Haus, 2007
Catálogo
Exposição de Pintura: amadeo de souza-cardoso
4 de Dezembro a 12 de Dezembro de 1916
Liga Naval de Lisboa, Palácio do Calhariz
Exposição de Pintura (Abstracionismo): amadeo de souza- cardoso
1 de Novembro a 12 de Novembro de 1916
Salão de Festas do Jardim de Passos Manoel
1887-1987 centenário do nascimento de amadeo de souza- cardoso
Fundação Calouste Gulbenkian
Curadoria: Fundação Calouste Gulbenkian
20 de Julho de 1987 a 31 de Outubro de 1987
Fundação Calouste Gulbenkian
Amadeo de Souza-Cardoso: diálogo de vanguardas
Curadoria: FREITAS, Helena de
15 de Novembro de 2006 a 15 de Janeiro de 2007
Fundação Calouste Gulbenkian