2 Abril 2019

Cruzeiro Seixas no Museu do Côa

Artur Cruzeiro Seixas, um dos maiores artistas do surrealismo português, é recebido em Vila Nova de Foz Côa, numa exposição que explora as várias vertentes da sua obra e que pode ser visitada até ao final de junho.

Artur Cruzeiro Seixas«O quarto do gatuno», 1972. Coleção Moderna

A exposição Cruzeiro Seixas: «Nos Labirintos Que Inventei», inaugurada no passado dia 14 de março, está patente até 30 de junho no Museu do Côa, em Vila Nova de Foz Côa.

As obras expostas resultam de empréstimos de diferentes instituições nacionais, entre as quais o Museu Calouste Gulbenkian, que contribuiu com uma pintura e cinco desenhos. Com curadoria de Alexandra Silvano, esta mostra, que se pretende abrangente e, tanto quanto possível, retrospetiva, apresenta obras representativas das diferentes práticas artísticas exploradas pelo artista.

Atualmente com 98 anos, Artur Cruzeiro Seixas é muitas vezes considerado o expoente do surrealismo português e é o principal representante vivo do movimento. De entre os surrealistas portugueses, é o artista que mais legitimamente se destaca no desenho, tendo desenvolvido uma atividade intensa e extensa nesta disciplina. Feitas em tinta da China sobre papel couché, as suas obras encontram-se povoadas por criaturas fantásticas, zoomórficas e antropomórficas, que habitam um cenário simultaneamente familiar e insólito.

A exposição é acompanhada de um catálogo com textos de curadoria e reproduções das obras expostas.

Atualização em 04 Abril 2019