30 Março 2020

Artur Rosa (1926-2020)

Artur Rosa faleceu no passado dia 24 de março com 94 anos, deixando para sempre o seu nome ligado à Fundação Calouste Gulbenkian.

Artur Rosa. «Evolução de um losango numa malha logarítmica», 1967. Madeira pintada. Coleção Moderna

Formado em arquitetura, Artur Rosa foi um dos rostos da Op Art em Portugal. Foi autor de uma obra emblemática instalada no Edifício Sede da Fundação Calouste Gulbenkian, encomendada para a inauguração do edifício em 1969, que o consagrou como um dos grandes renovadores da escultura portuguesa do século XX, ligado à «evolução cinético-analítica», como referiu E. M. de Melo e Castro.

A historiadora Ana Ruivo descreve este notável grupo escultórico, produzido em alumínio anodizado, aço inox e Plexiglas: «num mesmo movimento que se prolonga do exterior para o interior do edifício, toma forma o jogo de geometrias em transformação que de um cubo em torção no jardim faz nascer uma esfera no foyer».

Artur Rosa investigou o modo como as formas geométricas se movimentam espacialmente, como em Evolução de um Triângulo numa Malha Logarítmica, de 1966, através da construção de grelhas logarítmicas tridimensionais; relacionou igualmente objeto, escultura e pintura em Evolução de um Losango numa Malha Logarítmica, de 1967, na qual equilibra cheios e vazios, o uso de duas cores (vermelho e verde) e a introdução de sombras. Estas duas obras, a que se junta um conjunto de oito peças entre desenhos, escultura, gravura e fotografia, dos anos de 1960 e 1970, fazem parte da Coleção Moderna do Museu Calouste Gulbenkian.

Também foi autor de uma obra de arte pública – um conjunto de cubos metálicos em que se acompanha a transformação de um cubo num paralelepípedo – instalada na avenida Conde Valbom, perto da Fundação Gulbenkian, e inaugurada em 1999. O estudo para esta obra, datado de 1971, pertence à Coleção Moderna: Escultura para Espaço Urbano I manteve assim a tendência cinética que iniciara no início dos anos de 1960, mais tarde catapultado para uma escala arquitetónica que o interessava.

O artista criou também cenários e figurinos para o Ballet Gulbenkian e para o Teatro Experimental de Cascais.

Casado com a artista Helena Almeida, que faleceu em 2018, acompanhou o seu trabalho durante mais de cinco décadas. Formou com ela um par artístico, fotografando as várias séries que marcaram a obra da artista.

 

Obras de Artur Rosa da Coleção Moderna