15 Outubro 2020

Família Rothschild

Uma coleção com histórias: partilhamos semanalmente uma história sobre a Coleção do Fundador. O mês de outubro é dedicado a grandes colecionadores.

Miniatura da Antologia do Sultão Iskandar (pormenor). Pérsia, Chiraz, período timúrida, 1410-1411. Tinta, guache e ouro sobre papel. Coleção do Fundador

A família Rothschild foi uma família judia abastada, oriunda da Alemanha, que estabeleceu um negócio bancário internacional de grande êxito na segunda metade do século XVIII. O fundador do «império» Rothschild foi Mayer Amschel Rothschild, um banqueiro nascido em Frankfurt. Mayer teve cinco filhos, que se instalaram nos principais centros financeiros europeus (Frankfurt, Viena, Londres, Nápoles e Paris), contribuindo para o desenvolvimento da fortuna familiar – além disso, o facto de casarem, por norma, com primos, fazia com que a fortuna se mantivesse na família.

O filho mais novo de Mayer, Jakob Rothschild, mudou-se para Paris e abriu, em 1817, a De Rothschild Frères, tornando-se assessor de ministros e reis. Os filhos de Jakob continuaram e fortificaram o negócio de família. Muito interessado pela filantropia e pelas artes, Edmond de Rothschild, o mais novo, fundou várias instituições para a investigação científica e financiou escavações arqueológicas, ao mesmo tempo que constituía a sua própria coleção de desenhos, gravuras e livros. Edmond doou parte da sua coleção ao Museu do Louvre e deixou outra parte ao seu filho como herança.

Em 1923, a prestigiada Antologia do Sultão Iskandar integrou a coleção de Calouste Gulbenkian, oferecida por Edmond. Acredita-se que esta oferta não terá sido um simples sinal de amizade entre os dois colecionadores, mas uma recompensa pelos conselhos dados por Gulbenkian a Rothschild, cuja empresa procurava estabelecer negócios na área do petróleo. Esta antologia é um manuscrito do período timúrida, dedicado ao Sultão Iskandar, neto de Timur.

 

Na Coleção do Fundador existem ainda outras obras que pertenceram aos irmãos de Edmond, Gustave e Alphonse de Rothschild, como vidros mamelucos e peças de mobiliário.

Charles Cressent, Medalheiro (de um par), c. 1750. Carvalho, madeiras exóticas e bronze. Coleção do Fundador
Lâmpada de mesquita. Egito ou Síria, c. 1346-1347. Vidro soprado dourado e esmaltado. Coleção do Fundador

Gulbenkian comprou igualmente peças oriundas das coleções de outros membros do império Rothschild, como o escritor e dramaturgo francês Henri Rothschild, descendente de Nathan Mayer Rothschild, o filho de Mayer que se instalara em Londres e criara a N M Rothschild & Sons Lda. Gradualmente, os ramos do banco da família sediados em Nápoles, Frankfurt e Viena fecharam, permanecendo apenas o de Londres e o de Paris, além de um novo ramo na Suíça que teria sido fundado pelo neto de Edmond.

Atualmente, a fortuna encontra-se dispersa por diferentes partes do mundo, distribuída pelos vários herdeiros. O nome Rothschild encontra-se associado a diferentes áreas, desde minas e vinhas a serviços financeiros ou projetos de beneficência.


Uma Coleção com Histórias

Partilhamos semanalmente uma história sobre a Coleção do Fundador. O mês de outubro é dedicado às histórias de colecionadores.

Conhecer outras histórias