2 Setembro 2020

«Love shop» ou como colecionar o amor

As Escolhas das Curadoras: Patrícia Rosas destaca a obra «Love Wall» de Peter Blake.

Peter Blake, «Love Wall», 1961. Colagem sobre madeira. Coleção Moderna

Let Us Face the Future foi o slogan e o prospeto de uma declaração do Partido Trabalhista (PT) inglês para as eleições gerais de 1945, no Reino Unido. O PT apresentou um programa radical que incluiu diversas nacionalizações e a criação de um estado social, mas sobretudo empregou o «V» de «Vitória» da Segunda Guerra Mundial para anunciar uma paz próspera e perdurável. Assim, Attlee venceu as eleições com maioria, derrotando inesperadamente Churchill.

Let Us Face the Future. British Art 1945-1968 foi o título da mostra na Fundació Joan Miró, em Barcelona, inaugurada em novembro de 2010. A surpreendente exposição comissariada por Richard Riley e Andrew Dempsey permitiu acompanhar as mudanças políticas, sociais e culturais numa Inglaterra onde a liberdade e a criatividade ganharam, do pós-guerra até aos anos 60, um crescente destaque, como nos explicaram os curadores.

A Fundação Calouste Gulbenkian soube, de forma exemplar, acompanhar esta realidade e por isso detém uma coleção de arte britânica histórica, que dá conta da multiplicidade de propostas artísticas, sobretudo entre 1959 e 1965.

Love Wall [Mural do Amor], de Peter Blake (n. 1932) viajou até Barcelona, juntamente com Rising Wind de Peter Lanyon e Mr. and Mrs. Patrick Caulfield de Howard Hodking.

Vista da exposição «Let Us Face the Future. British Art 1945-1968», 2010. Foto: Pere Pratdesaba. Cortesia: Fundació Joan Miró

Love Wall é, sem dúvida, uma das obras mais apaixonantes da Coleção Moderna, aquela obra-prima que lança magia e inspiração e que nos permite um olhar pausado e duradouro.

Foi apresentada nas importantes exposições Painting and Sculpture of a Decade 1954-64, que decorreu na Tate Gallery em 1964, e, em 1965, na mostra London – the new scene, no Walker Art Center, em Minneapolis. Tem viajado frequentemente para integrar exposições marcantes da Pop Art inglesa (em Roma, Madrid, Zurique) e em retrospetivas de Peter Blake (na Tate Gallery, em 1983, ou na Tate Liverpool, em 2007).

Peter Blake começou por estudar design gráfico, tal como alguns artistas ligados à Pop Art, como Andy Warhol ou Mel Ramos, antes de enveredar pela pintura no Royal College of Art em Londres.

Assim, interessado em posters e postais ou noutros elementos ligados à publicidade e ao design, Blake incorporou, nas suas primeiras pinturas, símbolos e colagens, componentes que viriam a ser também representativos da arte Pop inglesa. Estes elementos têm origem, como o próprio artista referiu, em Kurt Schwitters e, consequentemente, no movimento Dada europeu.

Blake abraçou a cultura popular na sua obra. A série de «Walls», de que faz parte a pintura da Coleção Moderna adquirida à Robert Fraser Gallery, é dedicada a estrelas como Marilyn Monroe, Elvis Presley ou Kim Novak, e incorpora janelas e portas de madeira, pintura e colagens.

Peter Blake, «Love Wall» (pormenor), 1961. Colagem sobre madeira. Coleção Moderna

Love Wall reúne 77 colagens – entre recortes de jornais e de revistas, postais e fotografias –, que representam casais apaixonados, crianças, animais, beijos, carícias, corações. Colecionar sempre fez parte da sua arte: aqui, coleciona o amor e a aparente felicidade do casal. As listras, o coração e a palavra «LOVE» fazem referência, porventura, à color-field painting americana e são símbolos que Blake usa permanentemente nas suas obras.

Peter Blake, «Love Wall» (pormenor), 1961. Colagem sobre madeira. Coleção Moderna

Quando participou no primeiro documentário de Ken Russell, em 1962, Pop Goes The Easel, Blake aparece a limpar o acrílico preto (?) – agora branco – de Love Wall, e refere que se pudéssemos entrar na loja do amor, lá encontraríamos o que vemos na montra!

Com efeito, em Inglaterra, os anos de 1960 marcaram um tempo de mudança, inovação e revolução sexual. Peter Blake estava lá e Love Wall também.

 

Patrícia Rosas
Curadora do Museu 


As Escolhas das Curadoras

Ao longo dos próximos meses, as curadoras da Coleção Moderna refletem sobre uma seleção de obras, que inclui trabalhos de artistas nacionais e internacionais.

Mais escolhas