A Escuta

Um filme de Inês Oliveira com Carlos "Zingaro"

Slider de Eventos

Mergulho nas águas profundas de um artista multidisciplinar e inconformado que se dedicou, desde a primeira juventude, à experimentação e a “estéticas falíveis”, na sua própria definição. Pioneiro, em Portugal, da música improvisada. O artista é filmado “em acção”, num espaço abstrato e num tempo suspenso. Entre actuações, incursamos, sem filtros, nos labirintos da sua memória. “A Escuta” é também a passagem de testemunho de um mestre.

Este filme nasce do desejo de dar a conhecer, através da “minha lente”, o mestre que é Carlos “Zingaro”. Conhecê-lo em acção e conhecer a sua história. As características que o distinguem são o gosto pela experimentação, o pioneirismo e a permanência na cena das artes e cultura em Portugal - e pelo mundo - ao longo de mais de 50 anos. É um artista de riscos e de vertigem, que sempre viveu da sua arte minimizando concessões e comprometido com a busca pela “verdade do momento”. Uma vida de entrega total, de pesquisa incessante, de fogachos de plenitude, e de um considerável património imaterial, visto que a maior parte da música que criou não ficou registada em discos. Viver para o momento, no momento. Tocar esse momento. Os encontros, as evocações e a aventura da descoberta... estes são os vectores de Carlos “Zingaro”. Ao reflectir sobre a vida e a arte, em perspectiva, como no presente da acção, “Zingaro” autoretrata- se. A escuta é a condição base de um improvisador. É também a minha condição como cineasta e de espectadora entre espectadores. É a condição necessária para uma sociedade mais humanista.


Programa

Argumento e realização
Inês Oliveira

Com
Carlos “Zingaro”
Joelle Léandre
Sebi Tramontana
Paul Lovens
Maria Belo Costa

Imagem
Paulo Menezes
Inês Oliveira

Som
Hugo Leitão

Montagem
Inês Oliveira
Rui Pedro Mourão

Produtor
Alexandre Oliveira

Ano de produção
2022

Duração
65 minutos

Antestreia
IndieLisboa 2022

Agradecimentos
Luis Lopes, Maria do Mar, José Bruno Parrinha, Rui Eduardo Paes, Ricardo Saló, Rodrigo Amado, André Príncipe, Leonor Noivo, Rita Benis, Maria Joana, Bruno Sequeira, Max Pons, Luz Poppe, Ana Paula d’Assumpção.

 


A Fundação Calouste Gulbenkian reserva-se o direito de recolher e conservar registos de imagens, sons e voz para a difusão e preservação da memória da sua atividade cultural e artística. Caso pretenda obter algum esclarecimento, poderá contactar-nos através de [email protected] .

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.