Os Reis. Costa Pinheiro, 1964 – 66. Retrospectiva

Esta exposição apresentou em Lisboa, pela primeira vez e quase na íntegra, a série Os Reis, um conjunto de retratos de monarcas portugueses realizado por Costa Pinheiro. Das 27 obras que compõem a série, totalmente desinteressadas de uma representação realista, ficou somente de fora o retrato de D. Dinis.
Exhibition presenting the portrait series Os Reis (The Kings) by Costa Pinheiro for the first time. Initiated by the Gulbenkian Modern Art Centre, the show included 26 of the 27 works depicting Portuguese monarchs, with the portrait of D. Dinis (king Denis of Portugal) the only portrait not included in the display.

Na mostra organizada pelo Centro de Arte Moderna (CAM) foram reunidas 26 das 27 obras que compõem a série Os Reis, de Costa Pinheiro, à exceção somente do retrato de D. Dinis, à data não localizado (Carta de José Sommer Ribeiro para José Tavares Tinoco, 7 abr. 1990, Arquivos Gulbenkian, CAM 00164). Além dos retratos, foram apresentados os respetivos estudos e algumas gravuras associadas ao conjunto pictórico.

As pinturas apresentadas nesta exposição foram concebidas como retratos que se desinteressam do realismo fisionómico: o pintor optou por «retratar» cada um dos reis ou rainhas recorrendo à citação de motivos históricos e símbolos, definindo uma iconografia em que a referência às cartas de jogar e a apropriação de imagens populares constituem uma heráldica dos corpos e dos mitos.

A série Os Reis foi apresentada pela primeira vez em Munique (dezembro de 1966), cidade onde o pintor «assegurou uma imediata notoriedade internacional» (Pomar, Expresso, 8 abr. 1989) e onde estes retratos «se tornaram lendários», segundo refere José Sommer Ribeiro no catálogo (Os Reis. Costa Pinheiro…, 1989). Refira-se que Costa Pinheiro viveu vários anos entre Portugal e Munique, onde estudou e desenvolveu o seu trabalho, a par das tendências internacionais dos anos 60, «situadas no contexto mais geral da nova figuração e num processo paralelo ao “retorno às imagens”, que nessa década se afirmou com Bacon, Hockney, Warhol […], e resistindo ao tempo e ao virar das tendências» (Ibid.).

No contexto da década de 1960 em Portugal, esta série de pinturas acabou por fazer a síntese de algumas atitudes artísticas daqueles anos, em que «a livre citação, a ironia transformada em paródia possível, a história como acumulação de brinquedos visuais livremente utilizáveis» (Porfírio, Expresso, 15 dez. 1989) foram comuns a outros artistas neofigurativos portugueses, emigrados ou não.

Depois da sua montagem em Lisboa, esta exposição foi apresentada em Macau (junho de 1990), integrada nas atividades das comemorações portuguesas do 10 de Junho.

De regresso a Portugal, as obras foram exibidas no Porto, na Fundação Serralves (novembro de 1990 a janeiro de 1991), contanto com o apoio da FCG na produção e tendo a programação de Fernando Pernes e a montagem de Etheline Rosas.

Joana Brito, 2016


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Coleção Gulbenkian

"Infante D. Henrique"

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

"Infante D. Henrique", 1965/66 / Inv. GP2019

D. Afonso Henriques

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

D. Afonso Henriques, 1965/66 / Inv. GP2020

D. Inês de Castro

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

D. Inês de Castro, 1965/66 / Inv. GP2026

D. João III

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

D. João III, 1965/66 / Inv. GP2024

D. Leonor Teles

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

D. Leonor Teles, 1965/66 / Inv. GP2022

D. Manuel I

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

D. Manuel I, 1965/66 / Inv. GP2025

D. Pedro I

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

D. Pedro I, 1965/66 / Inv. GP2021

D. Sebastião

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

D. Sebastião, 1965/66 / Inv. GP2023


Publicações


Material Gráfico


Fotografias

José Luís Porfírio (ao centro) e Costa Pinheiro (à dir.)
José Blanco (ao centro)
Exposição «Os Reis. Costa Pinheiro, 1964-66. Retrospectiva»

Multimédia


Imprensa


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM 00194

Pasta com documentação referente à produção das exposições «Henrique Pousão, 1884-1984. No Primeiro Centenário da sua Morte» e «Pintores da Escola do Porto, Séc. XIX e XX». Contém documentação relativa à edição dos catálogos, convites, cartazes e outros materiais promocionais das exposições, assim como documentação referente à extensão da exposição «Os Reis» à Fundação de Serralves e documentação relativa a danos provocados e respetivos restauros em obras do artista, assim como os relatórios de restauro realizados no Instituto Rainha D. Leonor, pela conservadora-restauradora Carmen Olazabal de Almada. 1989 – 1991

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM 00182

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém informações referentes aos danos e posterior restauro em obras do artista Costa Pinheiro. 1990 – 1992

Biblioteca de Arte Gulbenkian, Lisboa / Dossiê BA/FCG

Coleção de dossiês com recortes de imprensa de eventos realizados nas décadas de 80 e 90 do século XX, organizados de forma temática e cronológica. 1984 – 1997

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Comunicação), Lisboa / COM-S001/004-D00508

8 provas, cor: inauguração (FCG, Lisboa) 1989

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM-S003-P0113/03

Coleção fotográfica, cor: inauguração (Edifício do Leal Senado, Macau) 1990


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.