Azulejos: Murs de Rêve

Exposição integrada no programa «A Epopeia Marítima Portuguesa na Rota das Índias Orientais», sobre os Descobrimentos portugueses e a interculturalidade estabelecida com o Oriente durante esse período. Decorreu da parceria entre quatro instituições: Centre Culturel Portugais, Musée National des Arts Asiatiques, Association Française des Amis de l’Orient e École du Louvre.
Exhibition included in the programme of “A Epopeia Marítima Portuguesa na Rota das Índias Orientais” (in English: “The Epic Maritime Portuguese Venture on the Route to the East Indies”) on the Portuguese Discoveries and the interculturality established with the East during this period. The show was the result of a collaboration among four institutions: the Centre Culturel Portugais, the Musée National des Arts Asiatiques, the Association Française des Amis de l’Orient, and the École du Louvre.

Entre 19 de maio e 15 de julho de 1992, foi organizado em Paris um programa abrangente sobre o expansionismo português, focando as trocas culturais estabelecidas com o Oriente Islâmico, a Índia e a China. A iniciativa foi promovida por quatro instituições parisienses que levariam a cabo as diversas atividades multifacetadas. Distando apenas cerca de 600 metros um do outro, o Musée National des Arts Asiatiques e o Centre Culturel Calouste Gulbenkian (CCCG) seriam os dois centros nevrálgicos da programação.

O Musée National des Arts Asiatiques abriria o mapa de eventos com uma conferência/performance em torno da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto e a inauguração da exposição «Du Tage à la Mer de Chine. Une epopée portugaise», comissariada pelo conservador-chefe Jean-Paul Desroches e por Simonetta Luz Afonso, diretora do Instituto Português de Museus (IPM) e conservadora-chefe do Palácio Nacional de Queluz. Acolheria ainda um ciclo de cinema contemporâneo, abordando os Descobrimentos portugueses, e a primeira de duas conferências sobre as relações históricas desenvolvidas com a China. O fecho da programação também aconteceria nesse museu, com o concerto «Musique Portugaise du XVIe au XVIIIe Siècle», cuja interpretação ficou a cargo do Coro Gulbenkian (Programa, Arquivos Gulbenkian, PRS 05378).

Além das funções de coorganização, o CCCG acolheria no seu espaço a segunda jornada de conferências e apresentaria a exposição «Azulejos: Murs de Rêve», mostra de peças de azulejaria e de documentação fotográfica sobre o papel de Portugal no desenvolvimento desse património cultural. Os Arquivos Gulbenkian conservam diversas fotografias dos eventos decorridos no CCP durante este certame, nomeadamente a visita oficial à exposição do então secretário de Estado da Cultura português, Pedro Santana Lopes, e os referidos colóquios de dia 25 de maio de 1992, que teriam como oradores Geneviève Bouchon («De l'Inde à la Chine: premières expériences portugaises»), Aníbal Pinto de Castro («Un regard portugais sur la Chine du XVIe siècle: le traité de Frei Gaspar da Cruz»), Michel Cartier («La Vision chinoise des Portugais au XVIe siècle») e João David Pinto Correia («Le découverte de la Chine: stratégie de la description dans l'oeuvre de Fernão Mendes Pinto») (Ibid.).

Na École du Louvre teria ainda lugar «Les Portugais découvreurs de la Chine», com orientação de Jean-Paul Desroches. A Association Française des Amis de l'Orient também daria o seu contributo logístico para a organização dos eventos.

Daniel Peres, 2018


Ficha Técnica


Eventos Paralelos

Programa cultural

[Descobrimentos e a Interculturalidade]

19 mai 1992 – 3 jul 1992
Fundação Calouste Gulbenkian / Delegação em França – Centre Culturel Portugais
Paris, França

Publicações


Fotografias

Fotografias em álbum da inauguração da exposição e da visita oficial do Secretário de Estado da Cultura
Fotografias em álbum do evento cultural «Azulejos. Murs de Rêve»

Imprensa


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Centre Culturel Portugais de Paris), Lisboa / PRS 05378

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém convites e programas. 1979 – 2003


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.