Design Dinamarquês

Fruto de uma parceria entre a Embaixada Real da Dinamarca em Portugal e a Fundação Calouste Gulbenkian, foi apresentada em Lisboa uma exposição sobre design dinamarquês. Consistia na reprodução de seis interiores de habitações, de forma a dar a conhecer as características de uma casa mobilada com peças de design dinamarquês.
Exhibition showcasing Danish design, resulting from a collaboration between the Royal Danish Embassy in Portugal and the Calouste Gulbenkian Foundation. The show, held in Lisbon, featured model replicas of six home interiors furnished with pieces characteristic of Danish design.

Esta exposição sobre design dinamarquês, patente ao público primeiramente em Barcelona, foi apresentada em Lisboa por iniciativa conjunta da Embaixada Real da Dinamarca em Portugal e a Fundação Calouste Gulbenkian (FCG). Nela foram exibidos trabalhos de mais de uma centena de designers dinamarqueses.

A exposição consistia na reprodução de seis interiores de habitações, por intermédio dos quais o público podia apreciar as características de uma casa mobilada com peças de design facilmente encontradas no mercado dinamarquês. Realçando a importância que a casa e os objetos que a integram têm na vida das pessoas, destacava-se a importância do design nos múltiplos aspetos do quotidiano dinamarquês.

Segundo José Sommer Ribeiro, no catálogo da exposição: «Os objectos de uso quotidiano sofreram desde a Revolução Industrial uma profunda transformação. Diversas tentativas foram feitas para que eles saíssem da mediocridade e alguns dos grandes impulsionadores foram os homens da Bauhaus, havendo a preocupação constante de que cada objecto tivesse uma forma adequada à sua função. Porém, é o design dinamarquês que consegue criar uma série de utensílios da vida quotidiana de rara beleza formal em que as raízes muitas vezes vão mergulhar no artesanato tradicional. Assim se explica que ele se tenha difundido mundialmente.» (Design Dinamarquês, 1981)

De acordo com o testemunho de Per Fergo, embaixador da Dinamarca, esta mostra teve bastante êxito junto do público: «[…] venho congratular-me pelo êxito da exposição de Design Dinamarquês, traduzido pelo interesse que a mesma tem suscitado entre o público em geral e na área específica de artistas e profissionais, independentemente da reduzida cobertura até agora dada pelos órgãos de comunicação social.» (Carta de Per Fergo para José Sommer Ribeiro, 30 nov. 1981, Arquivos Gulbenkian, SEM 00236)

Depois de apresentada em Lisboa, a exposição foi levada ao Porto, numa iniciativa patrocinada pela FCG, com o apoio da Associação Industrial Portuense e da Associação Comercial do Porto. A documentação menciona ainda a possibilidade da sua montagem na Arábia Saudita, informação que não se confirmou. Refira-se, porém, que nos registos disponíveis em arquivo existem dados relativos a algumas deficiências de acondicionamento das peças durante o processo de transporte entre Lisboa e o Porto, o que terá posto em causa a mencionada deslocação da mostra para a Arábia Saudita: «Assim, é grande a apreensão do Arq. Vedel-Rieper pelo estado em que o material da exposição, e respectivas embalagens, poderá chegar à Arábia Saudita, levando-o a pensar na hipótese de interrupção do itinerário inicialmente previsto, caso não haja um mínimo de garantia do bom estado do material a exibir.» (Carta de Erik Farso Madsen para José Sommer Ribeiro, 4 fev. 1982, Arquivos Gulbenkian, SEM 00236)

Joana Brito, 2017


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Publicações


Material Gráfico


Fotografias

Pedro Tamen e José Sommer Ribeiro (ao centro)

Documentação


Imprensa


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM 00236

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém planta, orçamentos, cartaz, convites, correspondência, recortes de imprensa, indicações gráficas do catálogo, número de visitantes e de catálogos vendidos em Lisboa. 1980 – 1982

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0059-D00203

43 provas, p.b.: aspetos (FCG, Lisboa) 1981

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0059-D00204

Coleção fotográfica, p.b.: inauguração (FCG, Lisboa) 1981

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0059-D00202

10 provas, cor: aspetos (FCG, Lisboa) 1981


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.