Arte Contemporânea Italiana

Exposição constituída pelas obras de arte italiana expostas na VIII Bienal de São Paulo, as quais, no seu regresso a Itália, fizeram escala em Lisboa. A organização desta exposição partiu de um repto lançado por Guido Burgada, diretor do Istituto Italiano di Cultura em Portugal, a José de Azeredo Perdigão, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian.
Exhibition featuring Italian artworks included in the 8th São Paulo Biennale, displayed in Lisbon before being returned to Italy. The exhibition was suggested by Guido Burgada, director of the Istituto Italiano di Cultura in Portugal, to José de Azeredo Perdigão, director of the Calouste Gulbenkian Foundation.

A organização desta exposição partiu de um repto lançado por Guido Burgada, diretor do Istituto Italiano di Cultura em Portugal, a José de Azeredo Perdigão, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG). Informando Perdigão da frequência com que «artistas e estudiosos portugueses» solicitavam ao Istituto Italiano a organização de uma exposição de «pintura e escultura contemporânea, particularmente de vanguarda», Burgata pediu a colaboração da FCG para organizar uma exposição das obras de arte italianas expostas na Bienal de São Paulo, as quais, no seu regresso a Itália, fariam escala em Lisboa (Carta de Guido Burgata para José de Azeredo Perdigão, 14 fev. 1966, Arquivos Gulbenkian, SBA 15359). A proposta foi aceite, integrando-se a realização deste evento na linha de atividades da FCG que visavam divulgar de forma «generalizada e ampla as mais recentes formas de expressão estética» (Arte Italiana Contemporânea, 1966).

Embora a montagem estivesse inicialmente prevista para os salões da Sociedade Nacional de Belas-Artes, a exposição acabou por ser instalada na Galeria de Exposições Temporárias da FCG, que consistia num pavilhão provisório sito em Palhavã.

Face ao número de obras a exibir e às limitações do espaço, a mostra teve dois momentos distintos. No primeiro (entre 4 e 15 de maio), foram apresentadas pinturas e esculturas dos artistas Alberto Burri, Carmelo Cappello, Pericle Fazzini, Giuseppe Mazzulo, Valeriano Trubbiani e Alberto Viani; no segundo (entre 18 e 29 de maio), foram expostas pinturas, desenhos e gravuras de Enrico Castellani, Leonardo Cremonini, Lucio del Pezzo, Sergio Romiti, Giacomo Soffiantino, Giuseppe Zigaina, Mario Schifano, Getulio Alviani, Giorgio Bompadre e Antonino Virduzzo. Refira-se que a primeira montagem deu destaque ao núcleo de pinturas de Burri, «por ser manifestamente o expositor de maior categoria e cuja obra discutível tem mais interesse criador» (Despacho do Presidente, 26 abr. 1966, Arquivos Gulbenkian, SBA 15359).

Cesari Brandi, comissário da representação italiana na Bienal de São Paulo, justifica no catálogo o critério de seleção das obras, assente no objetivo de «facultar um quadro geral da arte contemporânea na Itália»: «É, pois, natural que não exista homogeneidade entre as mesmas obras, na medida em que são índices de correntes por vezes mais opostas do que divergentes entre si. Em suma, a selecção teve carácter antológico e não foi feita com vista a apresentar só uma arte de vanguarda.» (Arte Italiana Contemporânea, 1966)

Durante o evento foram organizadas, como atividade de «apoio cultural à exposição», várias conferências sobre arte italiana, proferidas por Cesare Brandi e por José-Augusto França.

Joana Baião, 2015

The organization of this exhibition rose from a challenge made by Guido Burgada, Director of the Istituto Italiano di Cultura – Lisbona [Italian Institute of Culture – Lisbon], to José de Azeredo Perdigão, President of the Calouste Gulbenkian Foundation (FCG). Burgata informed Perdigão that “Portuguese artists and scholars” regularly asked the Italian Institute to organise an “exhibition of contemporary painting and sculpture, particularly avant-garde,” and he requested the collaboration of the FCG in the Biennial of São Paulo, which would make a stopover in Lisbon on their way back to Italy (Letter from Guido Burgata to José de Azeredo Perdigão, 14 Jan. 1968, Gulbenkian Archives, SBA 15359). The proposal was accepted, integrating this event in the set of activities of the FCG that aimed to disseminate in a “broad and generalized manner the latest forms of aesthetic expression” (Arte Contemporânea Italiana, 1966).

Although initially planned to be arranged in the halls of the Sociedade Nacional de Belas-Artes, the exhibition was eventually installed in the FCG Temporary Exhibitions Gallery, which consisted of a temporary pavilion in Palhavã, Lisbon.

Considering the number of works to be exhibited and the space constraints, the works of art were displayed on two different occasions. On the first (between 4 and 15 May), paintings and sculptures by the artists Alberto Burri, Carmelo Cappello, Pericle Fazzini, Giuseppe Mazzulo, Valeriano Trubbiani and Alberto Viani were displayed; on the second (between 18 and 29 May) paintings, drawings and engravings by Enrico Castellani, Leonardo Cremonini, Lucio del Pezzo, Sergio Romiti, Giacomo Soffiantino, Giuseppe Zigaina, Mario Schifano, Getulio Alviani, Giorgio Bompadre and Antonino Virduzzo were exhibited. It should be noted that the first assembly gave prominence to Burri's paintings, “because he is clearly the most important exhibitor, whose controversial work has more creative interest”. (Note by the Fine Arts Department, 26 Apr. 1966, Gulbenkian Archives, SBA 15359).

In the catalogue, Cesari Brandi, commissioner of the Italian representation at the Biennial of São Paulo, justifies the selection criteria for the works of art, based on the objective of “providing a general picture of contemporary art in Italy”:

“It is therefore natural that there should be no homogeneity between the works, inasmuch as they are indices of tendencies which are, sometimes, more opposed than divergent from each other. All in all, the selection had an anthological character and it was not made with a view to display solely avant-garde art” (Arte Italiana Contemporânea, 1966).

During the event, various lectures on Italian art, given by Cesare Brandi and José-Augusto França, were organised as exhibition cultural support activities.


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Eventos Paralelos

Ciclo de conferências

[Arte Contemporânea Italiana]

20 mai 1966 – 25 mai 1966
Fundação Calouste Gulbenkian / Pavilhão Temporário – Auditório
Lisboa, Portugal

Publicações


Material Gráfico


Fotografias


Documentação


Imprensa


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 13709

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém correspondência, convites, resumo das conferências e comunicados de imprensa. 1966 – 1966

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 15359

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém despachos, correspondência, recortes de imprensa e catálogos. 1966 – 1967

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 25141

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém convite para a inauguração da exposição. 1966

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 25450

Pasta com documentação referente à produção da exposição. 1966

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Projectos e Obras), Lisboa / SPO-S013-D01366

22 provas, p.b.: aspetos (FCG, Lisboa) 1966

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0324-D00997

14 provas, p.b.: aspetos (FCG, Lisboa) 1966


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

Este website usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. Podendo também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.