Mário de Oliveira

1929, Portugal – 1999

Fotógrafo; Colaborador da Fundação Calouste Gulbenkian (? – 1999)

9 Exposições

Realizou estudos na Escola de Artes Decorativas António Arroio, em Lisboa. Paralelamente aos estudos, iniciou a sua atividade profissional como litógrafo, passando posteriormente a técnico de revelação fotográfica a cores e a preto e branco, inicialmente nos Estúdios Tóbis.
Mais tarde, ingressou na firma Filmarte (laboratórios de revelação a preto e branco e a cores), onde desenvolveu complementarmente a sua aptidão como fotógrafo.
Ao deixar a Filmarte e passar a trabalhar por conta própria, foi-lhe permitido aceitar o convite para o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), onde entra na categoria de fotógrafo. No LNEC, desenvolveu as técnicas da fotografia de engenharia e arquitetura, tanto em estúdio como no exterior, o que o levou a ser convidado para trabalhar diretamente com a equipa da futura Fundação Calouste Gulbenkian (FCG), mesmo antes de esta ser instituída.
Embora inúmeras vezes tenha sido convidado a ingressar nos quadros da FCG, desde a sua saída do LNEC, optou sempre por trabalhar por conta própria e por realizar a totalidade do ciclo do trabalho fotográfico, da captação das imagens à impressão das provas fotográficas, passando pelos processos de revelação. Especializou-se em fotografia de arte, arquitetura, indústria, publicidade e fotografia aérea.
Faleceu a 19 de abril de 1999, em vésperas de partir para a antiga Índia portuguesa a convite da Fundação Calouste Gulbenkian, para aí participar no levantamento fotográfico de elementos de património de origem portuguesa no âmbito de um projeto apoiado pela Fundação.


Entidades Relacionadas


Eventos Paralelos


Publicações


Material Fotográfico

Pavilhão de receção das obras de arte
Pavilhão de receção das obras de arte
Pavilhão de receção das obras de arte
Pavilhão de receção das obras de arte
Pavilhão de receção das obras de arte
Pavilhão de receção das obras de arte
Pavilhão de receção das obras de arte
Pavilhão de receção das obras de arte