Senhor Cinco por cento

Durante décadas, as potências europeias ocidentais, especialmente a França, tinham explorado a sua posição como credores da dívida otomana para impor a sua vontade ao chamado “homem doente da Europa”.

Todas as potências europeias tinham os olhos postos em partes do Império Otomano, e muitas já se tinham apropriado de grandes pedaços de território. Quando Gulbenkian funda o Banco Nacional da Turquia, no seguimento da Revolução dos Jovens Turcos (1908), o seu objetivo era criar uma fonte de financiamento verdadeiramente internacional para a modernização do Império Otomano, incluindo o desenvolvimento das suas reservas petrolíferas e de outros recursos naturais.

Com o objetivo de explorar as reservas dos riquíssimos campos petrolíferos iraquianos, em 1912 o Banco Nacional da Turquia cria a Turkish Petroleum Company, detida pela Royal Dutch-Shell (25%), pelo Banco Nacional da Turquia (35%), pelo Deutsche Bank (25%) e por Calouste Gulbenkian (15%).

No início de 1914, a Turkish Petroleum Company (TPC) sofre uma reestruturação. A Anglo-Persian Oil Company (atual BP), grande concorrente da Royal Dutch-Shell, reivindicava a concessão petrolífera iraquiana, e tinha um forte apoio do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Grã-Bretanha. Para apaziguar a Anglo-Persian, Gulbenkian acedeu na redução da sua quota de 15 para 5%. Uns meses mais tarde, rebentava a Primeira Guerra Mundial e a TPC ficou em estado de suspensão.

Calouste Gulbenkian - Egito, Templo Edfu, 1930

Calouste Gulbenkian – Egito, Templo Edfu, 1930

O final da Primeira Guerra Mundial arrasta consigo a dissolução definitiva do Império Otomano, e levou à transferência da quota detida pelo Deutsche Bank (25%) para uma empresa francesa criada especialmente para este fim, a Compagnie Française des Pétroles (CFP, hoje Total). Os franceses tinham demorado a reconhecer a importância estratégica do petróleo, e Gulbenkian continuou a ser consultor das autoridades francesas e da CFP sobre a forma de lidar com os seus rivais. Entretanto, os riquíssimos campos de petróleo iraquianos acabariam dentro do novo mandato britânico do Iraque, onde a Turkish Petroleum Company conseguiu assegurar uma concessão em 1925.

Calouste Gulbenkian voltaria a desempenhar um papel fundamental nas negociações para o estabelecimento de um consórcio americano, que se juntou à Turkish Petroleum Company à luz do chamado “Acordo da Linha Vermelha” de 1928 e que acabava com o sistema quase imperial pré-1914 em que a Grã-Bretanha, a França, a Rússia e outras potências dividiam o Médio Oriente em “esferas de interesse”. A célebre linha traçava as fronteiras do antigo Império Otomano e os signatários acordaram que não levariam a cabo intervenções dentro desta linha sem ser através da sua “joint venture” – a Turkish Petroleum Company. Calouste Gulbenkian assegurava assim que as grandes potências agiriam em conjunto de forma organizada, e conseguia preservar a sua participação de 5%. Embora tenha continuado a procurar estabelecer outras parcerias internacionais, nomeadamente entre a França, Pérsia e a União Soviética, a “Linha Vermelha” foi o seu maior êxito.

Graças à sua persistência, capacidade negocial e flexibilidade para acomodar novos interesses e adaptar-se a novas situações, foi ganhando um respeito considerável nos meios ligados à indústria petrolífera. No resto do mundo, era conhecido simplesmente como “Senhor Cinco por cento”, um dos homens mais ricos do mundo.

Atualização em 22 abril 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.