Projeto europeu – TANDEM

Uma parceria europeia para públicos com necessidades específicas

De 2017 a 2020, a Fundação Calouste Gulbenkian participou no projeto europeu TANDEM – Tools And New approaches for people with Disabilities Exploring Museums, coordenado pela organização belga de artes e educação Mu-zee-um.

Tendo em vista o desenvolvimento e a implementação de práticas inovadoras junto do público com necessidades educativas específicas (NEE), os serviços educativos de sete instituições europeias — Fundación Siglo para el Turismo y las Artes en Castilla y León (Espanha); Museene i Sør-Trøndelag AS (Noruega); Istituto per i beni artistici culturali e natural della Regione Emilia Romagna (Itália); Eesti Meremuuseum (Estónia); Stiftung Berliner Mauer – Gedenkstätte Berliner Mauer (Alemanhae a Fundação Calouste Gulbenkian —, que pretendem aprofundar os seus conhecimentos e a sua programação para este público, realizaram atividades conjuntas centradas na cooperação, aprendizagem entre pares e troca de experiências.

O projeto a três anos foi apoiado ao abrigo do Programa Europeu Erasmus+, no âmbito da Cooperação para a inovação e intercâmbio de boas práticas e das Parcerias Estratégicas transnacionais, promovendo a partilha de experiências inovadoras entre diferentes tipos de organizações envolvidas em Educação, formação e juventude, ou noutros domínios de relevo.

Na perspetiva do projeto TANDEM, o trabalho de inclusão de diferentes públicos são uma oportunidade de trabalhar de forma criativa, apoiando os valores democráticos que devem sustentar a diversidade da sociedade europeia. O projeto permitiu compreender as formas de inclusão na Educação e ajudou a desenvolver métodos para lidar criativamente com diversos grupos de alunos com e sem deficiência, através do desenvolvimento de programas, ferramentas e estratégias interativas de fruição dos museus.

As equipas educativas da Fundação Calouste Gulbenkian têm uma vasta experiência com o público NEE, contando há vários anos com uma equipa transdisciplinar que desenvolve trabalho nesta área. O know-how adquirido através da associação de práticas artísticas a ferramentas digitais, que permitem comunicar sem palavras e trabalhar de forma muito eficaz a atenção, a concentração, a coordenação motora, o relaxamento e a relação entre os participantes (utilizando caixa sonora e interfaces digitais, por exemplo), foi um dos principais contributos que contribuiu que este projeto ganhasse uma escala europeia. Neste sentido o projeto TANDEM permitiu resultados além dos objetivos previamente desenhados, uma vez que toda a equipa educativa teve contacto direto com o projeto, o mesmo enriqueceu o seu trabalho com os públicos. Por outro lado, o projeto, ao longo dos três anos, ainda possibilitou um trabalho mais articulado com outros departamentos dentro da Fundação o que permite uma maior coesão do mesmo.

Foi assim possível, a criação de uma nova programação focada nos públicos com deficência visual e público com deficiência auditiva, que deu os primeiros passos com o projeto, mas que tem vindo a ser desenvolvida pelas equipas educativas.

Pretendendo tornar os museus e a educação acessíveis a um público com diferentes tipos de deficiência e incapacidade (deficiência visual, deficiência auditiva, deficiência intelectual ou cognitiva, entre outras), o projeto TANDEM prestou, também, uma especial atenção ao envolvimento de crianças e jovens com poucas oportunidades de participar em atividades culturais, visitantes menos qualificados, estudantes adultos, desempregados e migrantes.