Bibliotecas XXI: informação e conhecimento

À conversa com os convidados

Na era da Internet e do instantâneo, qual o papel das bibliotecas especializadas na ecologia dos sistemas de informação e investigação nas áreas das artes e humanidades? Que ameaças e desafios societais, técnicos e tecnológicos enfrentam as instituições de memória neste início de século XXI? Que papel desempenham os profissionais da informação neste contexto?

Com os convidados Dália Guerreiro (investigadora), Luísa Alvim (professora e bibliotecária), Maria Manuel Borges (professora e diretora da Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra) e Pedro Estácio (bibliotecário e diretor da Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa)

Dália Guerreiro é Doutora em Ciências da Informação e Documentação pela Universidade de Évora (com a tese Bibliotecas Digitais para as Humanidades: novos desafios e oportunidades), Mestre em Estudos de Informação e Bibliotecas Digitais pelo ISCTE-IUL; Pós-Graduada em Ciências da Informação e Documentação, variante Bibliotecas, pelo ISLA - Universidade Europeia e Licenciada em Física pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. É investigadora integrada do (CIDEHUS-UÉ), grupo Literacias e Informação Textual e colabora no Laboratório de Humanidades Digitais IHC/NOVA. Foi bolseira da FCT; integrou a equipa que iniciou e desenvolveu o projeto da biblioteca digital na Biblioteca Nacional e na DigiCult-Produções Digitais e tem realizado edição digital para as bibliotecas digitais da Universidade de Lisboa e da Universidade de Coimbra, entre outras. Membro da European Association for Digital Humanities (EADH) e cofundadora da AHDig Associação das Humanidades Digitais. É autora de artigos científicos na área das bibliotecas digitais e do blogue científico Bibliotecas e Humanidades Digitais e do blogue científico AHDig.

Luísa Alvim é Doutora em Ciências da Informação e Documentação pela Universidade de Évora (2016) com a investigação A Missão Social da Biblioteca Pública: uma visão das bibliotecas públicas portuguesas a partir do Facebook. Mestre em Ciência da Informação (2011). Pós-graduada em Ciências Documentais (1992). Licenciada em Filosofia (1985). Investigadora do CIDEHUS - UÉ. Técnica superior (área de Biblioteca e Documentação) no Arquivo Municipal Alberto Sampaio, Município de V.N. Famalicão. Foi Chefe de Divisão da Cultura (1999-2006), funções diretivas na Biblioteca Municipal de V.N. de Famalicão e na Casa de Camilo - Museu e Centro de Estudos. Trabalhou no Inventário do Património Cultural Móvel (Biblioteca Pública de Braga) e na Biblioteca Pública Municipal do Porto e no seu Arquivo Histórico. Foi docente na Pós-graduação Ciências Documentais, Universidade Portucalense, e na ESEIG-IPP na licenciatura Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação. Tem artigos publicados em revistas e livros da especialidade e artigos científicos apresentados em congressos nacionais e internacionais. Pertence à equipa de coordenação do Grupo de Trabalho de Sistemas de Informação em Museus – BAD. Exerce o cargo de vogal do sector de formação para o triénio (2017-2019) no Conselho Diretivo Regional Norte da BAD, onde desempenhou cargos diretivos na formação (2007-2010), secretária (2010-2013) e vogal do Conselho Fiscal (2014-2016).

Maria Manuel Borges é Professora Associada em Ciência da Informação na Universidade de Coimbra e cocoordenadora do Grupo de Humanidades Digitais no Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX - CEIS20 da Universidade de Coimbra. É atualmente Diretora do Departamento de Filosofia, Comunicação e Informação e dos Serviços de Biblioteca e Documentação da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e Diretora da Licenciatura e do Doutoramento em Ciência da Informação da mesma universidade. É membro da Sociedade Internacional de Scientometrics e Informetrics, Associação de Humanidades Digitais (AHDig) e BAD, Associação Portuguesa de Bibliotecários e Arquivistas. É Editora Associada do Diretório de Revistas de Acesso Aberto (DOAJ). É membro do Grupo de Trabalho Interministerial, subgrupo de “Avaliação da Pesquisa”, cuja missão é, entre outros, aconselhar o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior sobre a orientação estratégica para o subgrupo da iniciativa Nacional de Ciência Aberta Ciência. É também membro da Research Data Alliance e do Board da RDA in Portugal.

Pedro Estácio é bibliotecário e dirige, desde 2007, a Divisão da Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1995), possui estudos pós-graduados em Ciências Documentais (variante de bibliotecas e documentação), pela Universidade Autónoma de Lisboa (1997) e em Relações Internacionais (especialização em diplomacia e cooperação), pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa (2011). É doutorando em Estudos Ingleses e Americanos na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Entre 1998 e 2009 foi professor convidado do Departamento de Ciências Documentais da Universidade Autónoma de Lisboa tendo sido responsável pela lecionação das unidades curriculares de “Introdução às Ciências Documentais e da Informação”, “Legislação Aplicada às Ciências da Documentação e Informação” e “Fontes de Informação”. Desde 2003, colabora regularmente com a BAD enquanto formador acreditado. É, desde 2016, investigador no Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa (GI2) com o qual colabora desde 2010.

 

No âmbito do Ciclo «Os 50 anos da Biblioteca de Arte». Entrada livre, sujeita à disponibilidade de lugares

Próximas sessões

Sobre a atividade:

Duração: 45 minutos

Mínimo de participantes: 10

Máximo de participantes: 60

Língua: Português

Onde:

Ponto de encontro: Biblioteca de Arte — Átrio

Abrir Google Maps

Detalhes da atividade:

Época:

Ciclo:

Tipo:

Equipa educacional: