As flores do deserto e o tapete fumado

À conversa com a convidada

Inspirado pelas descrições das paisagens do Cáucaso, recolhidas nos livros de outros viajantes, como Alexandre Dumas e Theóphile Gautier, e recorrendo a bibliografia de referência na área da botânica, o jovem Calouste Sarkis Gulbenkian (1869-1955), no seu livro La Transcaucasie et la péninsule d’Apchéron: souvenirs de voyage (1891), nomeia as árvores de florestas onde nem o mais arrojado caçador ousaria penetrar, e identifica cientificamente as flores do deserto de Mugan, que toleram o sal e crescem sobre abundantes lençóis de petróleo. Esta será a terceira e última conversa deste ciclo temático de conversas na Biblioteca de Arte.

Com Susana Neves

No âmbito do ciclo de conversas «À volta da Arménia ‒ Os livros da biblioteca particular de Calouste Gulbenkian». Entrada livre, sujeita à disponibilidade de lugares

Próximas sessões

Sobre a atividade:

Duração: 45 minutos

Mínimo de participantes: 10

Máximo de participantes: 40

Língua: Português

Onde:

Ponto de encontro: Biblioteca de Arte — Átrio

Abrir Google Maps

Detalhes da atividade:

Época:

Ciclo:

Tipo:

Equipa educacional: