Projeto do IGC distinguido pela Chan Zuckerberg Initiative

Investigadores do grupo de Óptica e Biologia Celular do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) liderado por Ricardo Henriques © IGC, 2022

Investigadores do grupo de Óptica e Biologia Celular do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) entre os 35 vencedores das bolsas da Chan Zuckerberg Initiative (CZI). O projeto liderado pelo IGC visa melhorar a qualidade e facilidade de uso de softwares de acesso aberto na análise de imagens. Ao contribuir para o desenvolvimento de abordagens de imagiologia acessíveis, o projeto procura impulsionar e acelerar novas descobertas. 

Apesar de numerosos avanços na área, os investigadores ainda se deparam com vários desafios, quer na visualização de imagens complexas, quer na seleção do processo mais adequado para as analisar tendo em conta as suas questões de biologia celular e biofísica. Nos últimos anos, a plataforma napari tornou-se numa das principais ferramentas para visualizar e analisar imagens de grande tamanho e com múltiplas dimensões. Esta plataforma tem acesso livre, pelo que os investigadores que desenvolvem os métodos mais recentes de “deep learning” para captar imagens e estudar detalhes da replicação viral, por exemplo, podem rapidamente partilhar o processo com a comunidade científica. Ao tornar a análise de imagens mais acessível, este tipo de plataforma visa impulsionar a colaboração e a reprodutibilidade na ciência. 

O projeto “Cutting-Edge Super-Resolution Image Analysis in napari with NanoJ”, liderado pelo investigador principal do IGC Ricardo Henriques, foi selecionado na segunda ronda de financiamento das bolsas napari Plugin Foundations. O projeto recebe 25 mil dólares para reformular uma ferramenta de análise de imagens já estabelecida (NanoJ) num ecossistema de plugins em napari, promovendo uma análise de imagens de microscopia de super-resolução altamente eficaz e de elevada qualidade. 

O desenvolvimento e aprimoramento desta plataforma poderá ajudar investigadores de todo o mundo a visualizar e analisar dados de forma mais eficiente, aprofundando a sua compreensão da biologia humana e abrindo caminho para novas descobertas inovadoras em biomedicina.  

Atualização em 17 novembro 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.