17 Setembro 2020

Dia Internacional do Microrganismo

© Joana Carvalho, 2020

A 17 de setembro assinala-se o Dia Internacional do Microrganismo uma iniciativa que tem por objetivo sensibilizar a sociedade para a importância dos microrganismos e do seu papel na saúde, no ambiente e na qualidade de vida de todos. O Instituto Gulbenkian de Ciência associa-se às celebrações da data em 2020 através de várias iniciativas.

A comunicação visual tem um impacto incrível e por isso foi desenvolvida uma ilustração que caracteriza a importância da diversidade de microrganismos na microbiota. A ilustração acima venceu o prémio de melhor #cartoon pela Federation of European Microbiological Societies.

Ver ilustração completa

 

Garantindo informação acessível, vários cientistas do instituto desenvolveram um vídeo tutorial, que pode ser utilizado como recurso educativo, onde explicam como se trabalha em laboratório com alguns dos microrganismos mais fascinantes: as bactérias!

 

 

Aos microrganismos está definitivamente associado o alargado consumo de antibióticos que tem feito emergir as conhecidas resistências. Com intuito de alertar para cuidados e conhecimento vários cientistas desenvolveram uma animação que centra este tema.

 

 

Em Portugal a celebração do dia é dinamizada pela Sociedade Portuguesa de Microbiologia, em articulação com a Federação das Sociedades Europeias de Microbiologia (FEMS) e apresenta um vasto programa de atividades, este ano num formato mais digital. O dia 17 de setembro foi escolhido para comemorar o dia em que Antonie van Leeuwenhoek enviou uma carta à Royal Society of London, em 1683, a relatar a primeira descrição de um organismo unicelular.

Anton van Leeuwenhoek é conhecido pelas suas contribuições para o melhoramento do microscópio, além de ter contribuído com as suas observações para a biologia celular. Utilizando um microscópio feito por si mesmo (possuía a maior coleção de lentes do mundo), foi o primeiro a observar e descrever fibras musculares, bactérias, protozoários e o fluxo de sangue nos capilares sanguíneos de peixes. O microscópio utilizado por Leeuwenhoek para as suas descobertas era constituído por uma lente biconvexa que tinha a capacidade de aumentar a imagem cerca de 1 000 vezes.

 

Ver Website do evento