• Papel
  • Pastel
  • Inv. DP870

António Soares

S/título

Perfil Feminino justifica, aparentemente, a crítica à obra de António Soares como circulando entre a futilidade e o modernismo ou, de forma mais acutilante, como reveladora de um entendimento superficial do modernismo na pintura.

 

Inserindo-se este pastel num discurso historiográfico que coloca a tónica no assumir do suporte bidimensional como essência da Pintura, e que para tal teria que passar por um estádio fundamental de diluição entre forma e fundo, parecemos estar perante uma oportunidade perdida. O fundo colorido e sem apontamentos que definam uma volumetria afasta-se de uma pretensão naturalista, mas não deixa de estar submetido à figura que enquadra, e o rosto, ao apresentar-se de perfil, podia ajudar a esse abandono da volumetria mas, no entanto, vê o tratamento lumínico negar-lhe essa possibilidade.

 

Todavia, uma outra via de entrada neste trabalho pode revelar-se frutífera. Perspectivemos Perfil Feminino a partir do gosto de Soares pelos trabalhos gráficos, revelado logo aos 19 anos, em 1915, quando tenta constituir um atelier de artes gráficas com Jorge Barradas, ou ainda pelas artes industriais quando visita, dez anos mais tarde, a Exposição das Artes Decorativas e Industriais Modernas de Paris. A partir daqui pode encontrar-se o mote da composição. O rosto de perfil foi desde cedo presença habitual na cunhagem de moedas, em baixos-relevos ou na decoração de selos de correio. De realçar ainda uma eventual aproximação ao cinema ou à fotografia pelo enquadramento em grande plano que lhe é dado, comum nestas artes.

 

Valorizando-se este pastel tomando uma ou outra via – a da circulação de formas entre meios diferentes, ou a das pesquisas da pintura sobre a sua essência enquanto pintura –, a capacidade técnica no manuseamento dos diferentes materiais de António Soares e a influência fauve não deixam de merecer destaque.

ASR

 

Maio de 2010

TipoValorUnidadesParte
Largura30,6cm
Altura36,3cm
Tipoassinatura
TextoANTONIO
PosiçãoCanto inferior direito.
TipoAquisição
DataJaneiro de 1984
Atualização em 23 janeiro 2015

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.