A Princesinha Grávida

Descubra mais sobre a obra «A Princesinha Grávida», de Paula Rego, pelas palavra de Leonor de Oliveira, investigadora do Instituto de História da Arte.
Paula Rego, «A Princesinha Grávida», 1977. Inv. 78E873

Em abril de 1976, Paula Rego enviou à Fundação Calouste Gulbenkian um pedido de apoio para a sua pesquisa sobre os contos de fadas e contos populares. A artista terminava o programa de trabalhos manifestando a sua intenção de «ilustrar mais prolificamente os contos tradicionais portugueses ou integrar esses mesmos contos eternos na nossa mitologia contemporânea e experiência pessoal através da pintura.» A Princesinha Grávida resultou desta investigação, que se centrava no estudo destas histórias, da sua circulação pelo mundo e da sua ilustração ao longo dos tempos[1].

Encontramos, por isso, o primeiro registo desta escultura/objeto têxtil ou «boneco», como Paula Rego designa este tipo de obras, no relatório que enviou à Fundação em 1978. A obra encontra-se acompanhada de fotografias de outros personagens que remetem para o imaginário universal dos contos de fadas (como O Príncipe Perfeito, também da coleção do CAM), que a artista compusera em pano e a que dera uma presença tridimensional. A Princesinha Grávida, designada no relatório como A Princesa Pele de Burro, aponta para a atenção que Paula Rego dá aos contos que têm como protagonistas personagens femininas, e que remetem para a experiência da mulher, sobretudo os desafios e a violência do seu percurso iniciático num mundo dominado por homens.

 

Paula Rego, Boletim de candidatura a uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa, 26 de abril 1976. Arquivos Gulbenkian
Paula Rego, página do segundo relatório de bolsa com fotografia de A Princesinha Grávida, então intitulada «A princesa pele de burro», 1978. Arquivos Gulbenkian

 

O conto que inspirou esta obra foi recolhido da compilação de Charles Perrault do século XVII. O conto descreve o assédio de um rei viúvo à sua própria filha, e aborda claramente o tema do incesto. A mudança de título para A Princesinha Grávida revela a intervenção da própria artista na história e estabelece uma versão alternativa em que o incesto, a violação e a gravidez juvenil são desfechos possíveis. A apropriação do conto por parte de Paula Rego determina ainda a própria configuração da princesinha: a cara disforme, marcada pelas costuras do pano, os cabelos de lã e os materiais simples e mundanos, afastam-na de uma beleza idealizada e inacessível e tornam-na muito próxima do mundo quotidiano.

 

Paula Rego, «A Princesinha Grávida», 1977. Inv. 78E873

 

A Princesinha Grávida resulta então de um processo criativo que interpreta subjetivamente os contos tradicionais e constitui um «universo pessoal», como Paula Rego explicou numa conversa com Salette Tavares[2]. A artista tinha já trabalhado com tecidos na criação de composições bidimensionais, como tapeçarias, mas a sua abordagem dos contos leva-a a produzir os «bonecos». Estes começam, a partir do final dos anos 1970, a habitar o seu universo criativo, ora como obras de arte, ora como modelos ou elementos das cenografias que a artista construirá, mais tarde, como base para a sua pintura[3].

Leonor de Oliveira
Instituto de História da Arte, Universidade NOVA de Lisboa


[1] V. catálogo Paula Rego: Contos tradicionais e contos de fadas. Cascais: Fundação D. Luís I: Casa das Histórias Paula Rego, 2018.

[2] Salette Tavares, «Dados para uma leitura de Paula Rego», Expresso (20 jul. 1974), p. 14.

[3] Catarina Alfaro, «Desenhar, encenar, pintar: Processos de intimidade criativa», in Paula Rego: Desenhar, encenar, pintar. Cascais: Fundação D. Luís I: Casa das Histórias Paula Rego, 2019, pp. 22 e 23.

Atualização em 01 julho 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.