«Tudo o que eu quero» em Tours

A segunda instalação da exposição itinerante «Tudo o que eu quero. Artistas portuguesas de 1900 a 2020» leva mais de 50 obras do CAM até ao Centre de Création Contemporaine Olivier Debré, em Tours, França.
Vista da exposição «Tudo o eu quero» na Fundação Calouste Gulbenkian. Foto: Pedro Pina

A exposição itinerante Tudo o que eu quero. Artistas portuguesas de 1900 a 2020, que teve lugar na Fundação Gulbenkian entre 2 de junho e 23 de agosto de 2021, viaja agora até ao Centre de Création Contemporaine Olivier Debré, em Tours. Com inauguração prevista para 25 de março, a exposição insere-se na Temporada Portugal-França 2022 e é uma iniciativa do Ministério da Cultura. 

Com curadoria de Helena de Freitas (FCG) e Bruno Marchand (Culturgest), a exposição leva à cidade francesa cerca de 200 obras da autoria de 40 artistas mulheres portuguesas, realizadas entre 1900 e 2020. O título da exposição – em francês «tout ce que je veux» – inspira-se em Lou Andreas-Salomé, uma autora que desenvolveu uma das mais marcantes reflexões sobre o papel da mulher no espaço social, intelectual, sexual e amoroso. 

Tal como aconteceu na edição de Lisboa, que foi considerada uma das melhores exposições de 2021 por vários críticos, o Centro de Arte Moderna estará presente em Tours através da cedência de mais de 50 obras da sua coleção, de várias tipologias, diferentes estilos e materiais diversos. A exposição pode ser visitada até 4 de setembro de 2022.

Atualização em 22 março 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.