Obras de requalificação da Biblioteca

Uma biblioteca que se adequa e adapta aos novos tempos
Preparação dos novos caminhos de passagem de cabos de rede e de iluminação © Catarina Garrido e Helena Gonçalves

A Biblioteca de Arte reabriu ao público no dia 6 de setembro, após 25 dias de obras de renovação da sua sala de leitura. Esta intervenção nas áreas acessíveis ao público foi antecedida por uma outra, mais longa, de requalificação dos espaços de depósito.

Ambas as intervenções tiveram como objetivo principal a modernização do sistema elétrico, de intrusão, tratamento de ar, refrigeração, controlo de temperatura e proteção contra incêndios e inundação tendo em vista tanto a melhoria das condições de armazenamento e preservação dos milhares de documentos que integram o seu acervo como, sobretudo, das condições de consulta.

Apesar dos constrangimentos inerentes a uma intervenção desta natureza realizada em pleno contexto pandémico, a biblioteca manteve os seus serviços a funcionar a maior parte do tempo e a maioria das suas coleções acessível ao público.

25 dias de renovação da sala de leitura
250 dias de intervenção no depósito

5.300 metros de cabos de energia
3.150 metros de cabos de rede
2.200 metros de cabos de incêndio
320 lâmpadas LED
67 metros de cabos de deteção de inundação

> 100.000 monografias e publicações periódicas deslocadas
7.000 metros de espuma de polietileno
5.000 metros de tela de plástico
1.500 caixas de acondicionamento
800 saquetas de reguladores de humidade
450 embrulhos com exemplares de formatos especiais
400 armadilhas para insetos

 

O que mudou nos espaços de depósito

O projeto de renovação pretendeu alcançar três objetivos fundamentais: atualizar os sistemas técnicos que garantem as condições de preservação das espécies, reforçar a segurança do acervo e das equipas e tornar mais eficientes as condições de trabalho e circulação dos documentos. O sistema elétrico original foi completamente renovado e lâmpadas fluorescentes deram lugar a lâmpadas LED, ativadas através de sensores de movimento, energeticamente mais eficientes e adequadas à preservação das coleções. Foram instalados sistemas de deteção precoce de incêndio, inundação e intrusão e revista a iluminação de emergência. O sistema de climatização, essencial para a estabilidade ambiental dos documentos, foi redimensionado para uma distribuição mais equilibrada da temperatura e humidade relativa, bem como substituídas as condutas originais e colocadas mais sondas de controlo ambiental, para uma monitorização mais rigorosa das condições de temperatura e humidade dos mais de 900 m2 do depósito de livros e de outra documentação textual da biblioteca. Deu-se novo uso a áreas de armazenamento das coleções, procedendo-se à renovação de tetos, pavimentos e mobiliário.

 

 

Procurando adaptar o edifício às necessidades de preservação das coleções, foram redefinidos, valorizados e criados espaços de armazenamento de espólios, arquivos e coleções. A par da melhoria das condições de preservação dos documentos textuais, a biblioteca dispõe agora de espaço adaptado para instalação das arcas congeladoras que, a -22 ºC, albergam espécies fotográficas quimicamente instáveis e potencialmente inflamáveis de algumas das suas coleções fotográficas.

 

 

Para garantir a segurança do acervo durante as obras, foram deslocados mais de 100.000 livros, publicações periódicas e dezenas de coleções, espólios e arquivos que, acondicionados em caixas revestidas a espuma de polietileno com reguladores de humidade, foram transferidos para outros espaços de modo a garantir a sua estabilidade durante o período da intervenção.

 

Exemplares de formatos especiais ou que apresentassem fragilidades específicas, foram embrulhados individualmente ou em pequenos conjuntos. Os documentos que permaneceram nas estantes foram devidamente isolados e protegidos de possíveis danos mecânicos ou da deposição de pó, fuligem ou sujidades que pudessem pôr em causa a sua integridade.

 

 

O que mudou na sala de leitura

A par da melhoria das condições de segurança e preservação do seu depósito de livros,
a biblioteca dispõe agora de uma sala de leitura renovada, modernizada e mais confortável.

Para além da melhoria das infraestruturas técnicas como do sistema elétrico, deteção
de incêndio e climatização, substituiu-se o equipamento antifurto existente por tecnologia mais moderna e instalou-se um equipamento de controlo de acessos com identificação por radiofrequência.

 

 

 

Finalmente, as melhorias mais visíveis para o público que frequenta a Biblioteca de Arte são o novo revestimento do pavimento da sala de leitura, uma nova área de atendimento mais próxima do leitor e a instalação de tomadas de eletricidade individuais embutidas nos tampos das mesas de consulta (processo ainda em curso).

 

Atualização em 13 abril 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.