A Nossa História

O Serviço das Comunidades Arménias, então apelidado de Serviço do Médio-Oriente, foi criado em 1956 por dois executores do testamento do fundador, Kevork Essayan, genro de Calouste Gulbenkian, e Azeredo Perdigão, primeiro Presidente da Fundação.

O cargo de administrador responsável pelo serviço das Comunidades Arménias tem sido sucessivamente ocupado por membros da família do fundador. Atualmente, o administrador é Martin Essayan, bisneto de Calouste Gulbenkian. Mikhael Essayan, neto de Calouste Gulbenkian e antigo Presidente honorário da Fundação e Roberto Gulbenkian, sobrinho de Calouste Gulbenkian também foram administradores.

Desde 2013, Razmik Panossian assumiu o cargo de diretor. Foram igualmente antigos diretores Roberto Gulbenkian, Goriun Kechichian e Zaven Yegavian. Astrig Tchamkerten assumiu as funções de diretora interina durante o ano de 2012. 

Em baixo destacam-se, algumas iniciativas, realizadas pelo serviço, ao longo do tempo:

  • Em 1957/58 foi estabelecido o programa de bolsas universitárias que decorre até aos dias de hoje. Dezenas de milhares de estudantes já beneficiaram deste programa.
  • Em 1959/60 foi estabelecido o programa “Free Bursaries” para auxiliar estudantes de escolas arménias por todo o mundo, mas em particular, do Médio Oriente. Milhares de crianças beneficiaram deste programa que decorreu durante décadas. Subsequentemente, foram feitas contribuições para a renovação dos edifícios de várias escolas do Médio Oriente, Turquia, Argentina e Uruguai. O apoio à educação e a escolas Arménias continua a ser uma das atividades centrais do serviço.
  • Em 1959 foi publicado o primeiro livro do programa de publicações Arménias e de Estudos Arménios.
  • Na década dos anos 1960s foram construídas várias casas para Arménios carenciados em Beirute, Líbano, em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) o Howard Karageusian Commemorative Corporation e o Swiss Friends of Armenians. Também em Atenas, Grécia, em parceira com ACNUR, foram construídas casas para refugiados Arménios.
  • Entre as décadas de 1960s e 1970s, foi doado equipamento médico, incluindo uma máquina de raio-x e um bloco operatório, ao Hospital Arménio Surp Pirgiç em Istambul, Turquia. Os pais de Calouste Gulbenkian e outros familiares encontram-se sepultados num jazigo no pátio do Hospital.
  • Entre 1988 e 1989 foi enviado apoio humanitário à Arménia Soviética, após ter sido atingida por um grande terramoto. Para além de enviar doações, a Fundação atuou como intermediária para o apoio fornecido por Portugal à Arménia. Um total de 138 toneladas de produtos de primeiros socorros foram angariados e enviados diretamente para as áreas mais afetadas. Equipamento médico, também, foi enviado para os hospitais na Arménia. O serviço continua a apoiar iniciativas na Arménia, independente deste 1991, centrando-se na educação cívica e a atribuição de bolsas universitárias.
  • Em 1990, após 15 anos de guerra civil no Líbano, o serviço apadrinhou uma vasta reconstrução de vários edifícios escolares no país. O apoio às escolas na diáspora continua até hoje.
  • Em 2001 foi apoiada a renovação da Biblioteca Calouste Gulbenkian, no quarteirão Arménio da antiga cidade de Jerusalém. A biblioteca foi construída na década de 1930 e, contou com uma doação, por parte de Calouste Gulbenkian. Esta biblioteca é uma das bibliotecas mais importantes da diáspora.
  • Em 2013 foi lançado o novo Plano de atividades (2014-2018) do serviço, enfatizando a revitalização do arménio Ocidental, a reforma educativa e modernização dos métodos pedagógicos na diáspora, a atribuição baseada em mérito de bolsas universitárias, o apoio à sociedade civil na Arménia, o diálogo arménio-turco e as publicações eletrónicas.

Consulte aqui os projetos que são atualmente apoiados pelo serviço

 

 

Calouste Sarkis Gulbenkian – Recordação do seu neto