11 Outubro 2019

Zarmanazan 2019 Descobrir novos e antigos amigos

Zarmanazan 2019
Zarmanazan 2019© Samuel Buton

Este ano o Zarmanazan (programa de aprendizagem do Arménio Ocidental) reuniu 49 crianças, dos 10 aos 17 anos, 15 jovens, entre os 18 e os 24 anos, e 21 dinamizadores, que em conjunto desenvolveram as suas competências na língua Arménia Ocidental. O Zarmanazan teve lugar entre 12 de julho e 7 de agosto de 2019 na região Francesa dos Alpes e foram representados 12 países.

O curso “ Ensinar Arménio Ocidental na Diáspora” destinado a professores, apoiado pelo Institut National des Langues et Civilisations Orientales (INALCO) e integrado no Zarmanazan, contou com a presença de 15 professores, dos quais alguns ainda em formação. Os professores trabalharam com abordagens pedagógicas inovadoras e participaram em vários seminários e workshops. Uma parte importante do seu trabalho prático foi a interação com as crianças do Zarmanazan. Com base na aprendizagem de uma segunda língua e metodologias de pensamento crítico, o curso continua ao longo do ano com vários trabalhos de acompanhamento.

Este ano pedimos a Teni Apelian, uma das dinamizadoras do Zarmanazan e cantora do “Zulal Armenian A Cappella Trio” para partilhar connosco a sua experiência no Zarmananzan 2019:

“ Nos últimos três anos, crianças, artistas e estudantes de vários países juntaram-se para criar um mundo impulsionado pelo Arménio Ocidental e orientado pela arte e o movimento. A essência do Zarmanazan reside na abordagem “ estúdio de artista”, na qual a disciplina e a fluidez se encontram, a aprendizagem tem por base a criação, e a partilha é tão importante quanto o que se pinta.

O Zarmanazan baseia-se em duas verdades. A primeira, para que a língua possa crescer devemos ser capazes de criar e a segunda que a língua tem de ser vivida, e não somente ensinada. Em 2010, a UNESCO classificou o Arménio Ocidental como uma língua em risco de desaparecimento, mas o Zarmanazan desafia-nos a não pensar na preservação, uma ação defensiva por natureza, mas a agir ativamente, usando as palavras para criar, partilhar, expressar e filosofar. O Arménio torna-se parte de nós no dia-a-dia.

A palavra “circulo” ou “շրջանակ” tem apenas um significado quando dita ou escrita, mas adquire uma nova dimensão quando a moldamos em barro, dançamos, tecemos ou pintamos. Quando a enrolamos na nossa mão, a delineamos com os dedos, a enfeitamos ou quando a criámos com amigos cada vez que queremos falar, brincar, dançar ou cantar. No Zarmanazan vivemos a língua que procuramos revitalizar em nós próprios e, ao fazê-lo, a língua é assimilada em nós. A língua arménia torna-se parte de nós, em vez de ser transportada em cima das nossas cabeças como um chapéu que pode facilmente voar com o vento.

O pano de fundo deste “estúdio” chamado Zarmanazan são as montanhas dos Alpes, com frescos ribeiros que me fazem lembrar as músicas populares da Arménia, que canto com uma saudade que me precede. Aí, o único som que se pode ouvir são os sinos das vacas que por lá passam. Ao criar um espaço sem ruído digital (até mesmo os dinamizadores e professores deixaram de consultar as suas redes sociais), crianças e jovens abrem espaço para as suas próprias vozes serem ouvidas. O que começa como um murmúrio termina num tumulto de pessoas que se conectaram a uma nova parte de si mesmas e fazem amigos de diferentes partes do mundo.

Num dia normal no Zarmanazan realizam-se workshops e atividades maleáveis intituladas “nuvem” que incluem: Capoeira (Arte Marcial Brasileira), animação stop-motion com recurso a objetos encontrados na floresta, cozinhar, danças tradicionais, Rádio Zarmanatsayn (escrita de conteúdos e gravação), trabalhos manuais, pintura, filosofia, caminhadas, construção de casas na floresta, dança expressiva, escrita de uma peça de teatro, estórias com objetos feitos com barro, jornalismo, jogos de cartas, desenho, sonhar acordado, criação de jogos, astrologia, costura, artes cénicas, canto, composição de música, fotografia, Yoga, Tai Chi, Badminton, xadrez, futebol ou o simples convívio. Todas as atividades são vividas e partilhadas em Arménio Ocidental.

O Zarmanazan é uma mistura de caras novas e já conhecidas, diferentes línguas e culturas, com um elo em comum, a vontade de criar e a crença que o Arménio Ocidental é uma língua que deve continuar a existir e desenvolver-se”.

Para mais informações, consulte o website Zarmanazan ou contacte através do email contact@zarmanazan.com.

O Zarmanazan foi organizado pela associação Mille et un Mondes e INALCO e financiado pelo Serviço das Comunidades Arménias da Fundação Calouste Gulbenkian.

Atualização em 15 Outubro 2019