Curta-metragem: Projeto «Yasuke Kurosan»

No dia da performance Yasuke Kurosan de Smaïl Kanouté apresentamos também uma curta metragem (em loop) baseada no projeto coreográfico.

Slider de Eventos

Yasuke Kurosan é a segunda peça de uma triologia que questiona a condição da comunidade negra em diferentes épocas e locais, e em grande parte lida com o impacto do colonialismo e a persistência dos ritos ancestrais como uma afirmação de identidade. Never Twenty One – uma homenagem às jovens vítimas de armas de fogo, e So Ava – uma reinterpretação das danças vudu, são a primeira e terceira peças. Cada projecto dá lugar a uma curta-metragem e uma performance coreográfica.

A curta-metragem do projeto Yasuke Kurosan de Smaïl Kanouté e Abdou Diouri (2020), com 15 minutos, estará em loop antes da performance coreográfica a acontecer no mesmo dia.

Na fronteira entre ficção e documentário, Yasuke Kurosan retrata a viagem de Smaïl Kanouté, seguindo os passos de uma lenda recuperada, Yasuke Kurosan, um africano escravizado que chegou à terra do sol nascente no final do século XVI e a quem foi concedido o estatuto excecional de samurai. A escrita coreográfica de Kanouté transmite a transformação do corpo oprimido do escravo no corpo orgulhoso e erguido do samurai, através do encontro entre a dança africana e a arte do bushido (código de honra dos samurais). Inspirando-se no aikido, bushido, butoh, a cerimónia do chá, e na sua própria viagem coreográfica, explora de imediato uma dança, energia e estado de espírito. Depois de conhecer artistas que praticam ninjutsu, bushido, hip-hop e dança contemporânea, conhece outras pessoas afro-japonesas que representam o encontro cultural entre a África moderna e o Japão.

A última projeção será às 16:30.


FICHA TÉCNICA

Realização do filme Smaïl Kanouté, Abdou Diouri
Coreografia / Interpretação Smaïl Kanouté
Música e composição Paul Lajus
Design de luz Smaïl Kanouté
Artistas (dança) Katie Sachiko Scott, Sasuke Yaen, Wuma Ichi, Umihei Hayamizu, Khalife Kissa Kashiwakura
Direção de fotografia Abdou Diouri
Argumento Smaïl Kanouté
Edição Hakim Hayashi e Kevin Gay
Classificação de cor Hakim Hayashi
Edição de som Batiste Darsoulant
Pintura de corpo Lorella Disez (Miaoutoo)
Voz, tradução e caligrafia Hakim Hayashi
Coordenação Mizuki Poirier
Assistência de coordenação Kisumi Niwano
Música Clementina de Jesus, Tia Doca & Geraldo Filme – “Canto IX” (1982), Paul Lajus – ” YASUKE bounce (Limiter_comp) ” (2020),  IAM – ” Omotesando (Instrumental of Yasuke Digipack Edition 2020), IAM – ” Yasuke (Instrumental of Yasuke Digipack Edition 2020), Toshiko Yonekawa – “Sakura Sakura” 1973 


BIOGRAFIA

Smail Kanouté é um artista multifacetado franco-maliano residente em Paris. Pertence a uma geração jovem que renova atualmente códigos visuais e estéticos em todas as disciplinas possíveis. Com a Companhia Vivons! -fundada em 2016- desenvolve projectos de performance, obras de arte coreográfica mais pessoais, vídeos de dança e curtas-metragens. Neste momento, está a trabalhar num projeto para uma web-docu-series de dança.


A Fundação Calouste Gulbenkian reserva-se o direito de recolher e conservar registos de imagens, sons e voz para a difusão e preservação da memória da sua atividade cultural e artística. Caso pretenda obter algum esclarecimento, poderá contactar-nos através de [email protected] .


Produção executiva

Co-produção

Apoios

Parceiros


Relacionados

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.