Mario Lucio / Coro e Orquestra Gulbenkian

Slider de Eventos

Este concerto nasceu da vontade de unir histórias, pessoas, culturas, povos e nações. A música deu o mote. Quando senti e pensei o encontro entre a Orquestra Gulbenkian e mim, não estava apenas a querer realizar uma epopeia estética e pioneira. Impelia-me a partilha luminosa, encontros, desejos de harmonia, intercâmbios e abraços. Escolhi essa via porque dividir o palco é multiplicar afectos. Sentir hoje a música de Cabo Verde abraçada por todo um mar de instrumentos, um arquipélago de timbres e de saberes outros, é ter dois mundos irmanados num abraço.

Esteticamente, projectei que o ambiente, a toada e o sentimento da minha música, a tradicional e a autoral, encontrassem a música do Outro. Sei que a minha música vem de muitas músicas, sei que muitas músicas têm também da minha.  A proposta não era trazer a música tradicional, ou popular, para o ambiente sinfónico, nem o inverso, mas, sim, conseguir uma confluência, um enlace. A minha escolha para os arranjos recaiu sobre a franco-boliviana, Élodie Bouny, guitarrista e compositora, a sensibilidade feminina, de mãe, para ouvir e escutar a alma da Morna. Em contraponto, o ilhéu e crioulo Miguel Nuñez, pianista cubano, arranjou as minhas composições mais modernas.

Assim viemos ao encontro da Orquestra e do Coro Gulbenkian, sob a direção do maestro Rui Pinheiro.

A música de Cabo Verde guarda segredos que a escrita ainda desconhece. (Como na própria história da literatura, faltam símbolos para expressar o espírito da oralidade). Dialogando, porém, chegamos lá. Por isso, estamos todos a aperfeiçoar as invenções. O prestígio de uma Orquestra e de um Coro mundialmente reconhecidos, como os da Gulbenkian, constituem, neste caso, um aval para este novo trilho da minha carreira e da nossa música.

Quero Ser Grato às musas e aos músicos, em especial à minha grande amiga Graça Andresen Guimarães, que acalentou esse sonho; à querida Isabel Mota, que o acarinhou; à sempre atenta Maria Helena Borges, que o levou da mão; ao meu sábio amigo Guilherme d’Oliveira Martins, que deu a compreensão ao que já fazia sentido; ao disponível António Lopes Gonçalves, pelo acompanhamento. Todos juntos, já fazemos parte da história da música de Cabo Verde e Universal, porque este concerto é um acontecimento inédito nos nossos registos. Há braços.

A música nossa, por Mario Lucio
O autor escreve segundo a antiga ortografia


Programa

Coro Gulbenkian
Orquestra Gulbenkian

Rui Pinheiro Maestro
Mario Lucio Voz / Guitarra

Olha só, olha o Sol (Mario Lucio)
Vem amor vem (Mario Lucio)
Cai cai cai (Mario Lucio)
Quando falo com você (Mario Lucio)
Lua Cheia (Mario Lucio)
A Areia de Salamansa (Abílio Duarte)
Dor di amor (Mario Lucio)
Hino à Gratidão (Mario Lucio)
Morgadinha (B. Leza)
Oh Linda (Ano Nobo)
Sorriso de Nha Cretxeu (Francisco Fragoso/Djirga)
Força de Cretxeu (Eugénio Tavares)
Zita (Mario Lucio)
Ilha de Santiago (Mario Lucio)


A Fundação Calouste Gulbenkian reserva-se o direito de recolher e conservar registos de imagens, sons e voz para a difusão e preservação da memória da sua atividade cultural e artística. Caso pretenda obter algum esclarecimento, poderá contactar-nos através de [email protected] .


Apoios

  • Co-funded by the Creative Europe Programme of the European Union

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.