Ciclo de oficinas de fotografia experimental I

Pinhole, cianotipia, papel salgado

Slider de Eventos

Este ciclo consiste numa série de oficinas sobre várias técnicas de fotografia experimental, baseadas na obra de diversos autores ao longo da história da fotografia – de meados do século XIX, com o trabalho de Anna Atkins,  até ao início do séc XX. Em cada oficina será trabalhada uma técnica específica, e produzida uma série de imagens inspiradas no Jardim Gulbenkian, materializando-se em pequenos objetos-livros de diferentes formatos. Neste ciclo serão trabalhadas as técnicas de fotografia pinhole, cianotipia e papel salgado.

Conceção e orientação: Imagerie – Casa das Imagens 


SESSÕES

Partindo do estudo das características plásticas da fotografia pinhole intitulada The Onion Field, de George Davison (vencedora de um prémio na exposição anual da Photographic Society of Great Britain em 1890, e considerada uma das primeiras fotografias impressionistas) os participantes nesta oficina serão desafiados a construir a sua própria câmara fotográfica estenopeica e a explorar as suas potencialidades fotografando o Jardim Gulbenkian. Tal como os fotógrafos pictorialistas do final do século XIX e início do século XX, serão explorados os aspetos plásticos da fotografia pinhole na fotografia de paisagem ─ o aspeto difuso (explorado por Davison) ─, as consequências dos longos tempos de exposição, entre outros.

Em 1843, apenas quatro anos após o anúncio oficial da invenção da fotografia Anna Atkins lançou o primeiro tomo da sua obra British Algae: Cyanotype Impressions, no qual trabalhou até 1853. Este projeto ─ no qual a artista (também botânica) registou através da cianotipia todos os espécimes conhecidos de algas das ilhas britânicas ─ foi o primeiro livro ilustrado exclusivamente através de um processo fotográfico, num esforço sustentado para demonstrar que a fotografia podia ser ao mesmo tempo cientificamente útil e esteticamente apelativa, tornando-o numa referência histórica.

Usando a mesma técnica de Anna Atkins ─ a cianotipia ─, na qual uma mistura de químicos sensíveis à luz produz imagens em tons de azul por exposição à radiação UV, os participantes criarão um pequeno álbum de alguns espécimes da flora identificados no Jardim Gulbenkian.

Perseguindo o objetivo de inventar a fotografia, William Henry Fox Talbot começou por experimentar expor espécimes botânicos ao sol sobre folhas de papel preparadas com soluções fotossensíveis, até inventar e aperfeiçoar uma das primeiras técnicas de impressão fotográfica ─ o papel salgado ─, que viria a ser divulgado no seu livro The Pencil of Nature, publicado em 1844. Inspirados pelas suas variadas experimentações, os participantes nesta oficina terão a oportunidade de recolher espécimes botânicos do Jardim Gulbenkian e registar as sombras através do processo inventado por Fox Talbot ─ o papel salgado. As impressões assim obtidas, juntamente com os espécimes que lhe deram origem são por fim incorporadas num “micro-álbum”, uma mistura de herbário e álbum de fotografias.


INFO ADICIONAIS

  • Possibilidade de desconto a participantes em situação de desemprego (50%), mediante apresentação de documento comprovativo no momento da atividade, emitido há menos de 6 meses num dos seguintes idiomas: português, inglês, francês e espanhol.


Relacionados

Utilização de Cookies

Definições de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.
Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Definições de cookies" abaixo.